Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

EDUCAÇÃO

Professores da Capital aceitam proposta de Governo de parcelar reajuste de 7,67%

Posição será debatida com outros 74 sindicatos do interior em assembleia
25/07/2017 13:00 - LUCIA MOREL


 

Os professores da rede estadual de ensino que atuam em Campo Grande aceitaram proposta do governo do Estado de parcelar em duas vezes o aumento de 7,64% referente ao reajuste anual feito pelo governo federal para o Piso Nacional da categoria. 

A decisão será levada a assembleia que será realizada amanhã à tarde na Federação dos Trabalhadores em Educação (Fetems).

A posição do Sindicato Campo-grandense dos Professores (ACP), votada hoje, será debatida juntamente com outros 74 sindicatos que também hoje analisaram a proposta estadual. 

Enviada ontem à Fetems, sugestão do Estado é de aumentar em 2,94% o salários dos docentes já em setembro e mais 4,7% será reajustado em dezembro.

Mesma proposta indica ainda que até outubro do ano que vem, o salário pago aos professores sul-mato-grossenses representará 78,16% do piso nacional e ainda em dezembro de 2018, esse índice chegará a 82,53%, baseando-se no percentual previsto de aumento federal em janeiro do próximo ano, que deve ser de 4,9%.

De acordo com a vice-presidente da ACP, Zélia Aguiar, a proposta acatada pela categoria foi a que mais se aproximou do que os profissionais desejavam, que era a incorporação imediata do reajuste. 

“O governo nos apresentou quatro propostas e esta (aceita) é que mais se aproxima do que queremos”, comentou.

A reportagem entrou em contato com o presidente da Fetems, Jaime Teixeira, para comentar as decisões dos demais sindicatos do interior, mas ele não atendeu as ligações. 

Assembleia geral que definirá manutenção ou não da greve iniciada hoje e que fechou algumas escolas estaduais, ocorre às 14 horas na federação.
 

Felpuda


É grande a expectativa em torno de qual foi a justificativa de conhecida figura que beneficiou sujeito, e este, aproveitando a, digamos, boa vontade demonstrada, simplesmente “sumiu do mapa”. Órgão nacional pediu explicações para o “benfeitor”, e o prazo já venceu. Como as decisões por lá não ficam escondidas do distinto público, logo, logo, a curiosidade deverá ser contemplada. É esperar para conferir!