Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

ESPERANÇA

Primeira bebê nascida por meio de inseminação em MS agora é mãe

Nascimento de Jéssica foi noticiado no Correio em 1992

19 JUL 19 - 09h:14EDUARDO PENEDO

Mãos trêmulas, olhos brilhando, voz embargada e, a cada palavra dita, um sorriso que é misto de alegria e expectativa. É assim que está a mãe da Luísa, Jéssica Delmônico, que foi o primeiro bebê fruto de inseminação artificial em Mato Grosso do Sul. Há mais de 26 anos, Jéssica foi notícia na edição do Correio do Estado do dia 4 de dezembro de 1992, com a manchete “Nasce na Capital o 1° bebê gerado por inseminação”.  

Mesmo sentindo contrações, Jéssica recebeu a equipe do Correio do Estado nesta quinta-feira, poucas horas antes de entrar na maternidade para dar à luz a Luísa. Ela, que é enfermeira, acostumada já com procedimentos médicos, aparentava uma falsa tranquilidade, mas, na verdade, estava sendo forte para segurar a ansiedade do marido, Ércules Miranda, da mãe, Iracema Delmônico, e de alguns familiares que vieram de Coxim para receber a pequena Luísa.
Enquanto Jéssica falava tranquilamente do parto, do quartinho da Luísa e do enxoval, chegou de Coxim seu marido, Ércules.  

Quando questionado sobre Luísa, seu rosto, cansado pela viagem de três horas, se transformou. Seus olhos marejaram e a voz quase não saía, de tanta emoção. “Não vejo a hora de ver meu bichinho, tocar nela, contar os dedinhos. Eu não almocei, estou preparado para assistir ao parto da Luísa sem perigo”, brincou. 

O parto de Jéssica, que ganhou fama por ser a primeira bebê gerada por inseminação no Estado, estava previsto para as 20h, também feito pelas mãos do médico ginecologista José Eduardo Silveira dos Santos, o mesmo que cuidou de sua mãe, Iracema.

O médico tem a expectativa de que a pequena nasça com mais ou menos três quilos e com 49 cm. “Eu já fiz mais de seis mil partos, mas a emoção é diferente a cada um. Eu agradeço a Deus por me dar essa oportunidade. Ainda mais que eu cuidei da mãe da Jéssica”.

Em decorrência da pressão alta e também por conta de o cordão umbilical estar enrolado no pescoço de Luísa, o parto precisou ser uma cesariana.

A expectativa toma conta de toda a família, isso é evidente nos olhos de Iracema, que, mesmo já tendo dois netos, brilham com a chegada da Luísa. Ela conta que seu marido, Paulo Delmônico, que é médico veterinário, não poderá acompanhar o parto da neta, mas está monitorando tudo mesmo de longe. “Eu e a avó paterna ajudamos no enxoval. Estamos corujando. Eu só tenho de agradecer ao doutor José Eduardo, que já faz parte da família, e ao Correio do Estado, que acompanhou o nascimento da minha Jéssica e agora da Luísa”, disse a avó. 

Hospeda há uma semana em Campo Grande, na casa de parentes, Jéssica contou que vários parentes vieram acompanhar o nascimento da Luísa, e os que não puderam vir vão poder pegar a pequena no sábado (20), quando pretende voltar a Coxim. 

Perfeccionista, ela diz que a vida é pautada nos mínimos detalhes. E brinca que até o seu nascimento foi planejado, já que nasceu de inseminação artificial. A gravidez aconteceu só quatro meses após decidir engravidar. “Eu sempre sonhei ser mãe. Me formei com 24 anos e planejei casar e ter filho com até 27 anos. E eu vou ter a Luísa com 26 anos, como planejei”, explica.   

 
 
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

BRASIL

Homem é preso por compartilhar cenas de abuso sexual infantil

HABITAÇÃO

Governo diz que 177 mil moradias já foram contratadas este ano no País

Incêndio assusta no Parque dos Poderes
CAMPO GRANDE

Incêndio assusta no Parque dos Poderes

Grupo protesta contra queimadas na Amazônia na Afonso Pena
NA AFONSO PENA

Grupo protesta contra queimadas na Amazônia

Mais Lidas