Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

OUTUBRO ROSA

Prevenção contra o câncer tem sobra de vagas pelo SUS

Mamografia é exame não invasivo que pode identificar tumores no início, além de ser disponibilizado de graça na rede pública de saúde

17 OUT 19 - 10h:17ALÍRIA ARISTIDES

 

Com a falta de vagas e longas filas de espera para o tratamento de pacientes com câncer pelo Sistema Único de Saúde (SUS) em Mato Grosso do Sul, a prevenção, método mais eficaz no combate à doença, tem sobra de vagas. O diagnóstico é o principal foco da campanha Outubro Rosa, quando são divulgadas informações e realizados exames preventivos com foco no câncer de mama.

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde (Sesau), até julho deste ano foram feitas 8.600 mamografias pelo SUS em Campo Grande. Sem filas de espera, é possível realizar o exame por meio de encaminhamento feito em consulta prévia ou, em alguns prestadores credenciados, apenas agendando o procedimento. Também de acordo com a pasta, a espera para realização da radioterapia, um dos métodos de tratamento do câncer, é longa.

Em julho deste ano, o número de pacientes na Capital aguardando vaga para realizar o procedimento era de 370 pessoas, e somente o Hospital de Câncer Alfredo Abrão (HCAA) atende a demanda na cidade.

Já os exames preventivos, como a mamografia, têm mais facilidade de acesso. Em Campo Grande, ele pode ser feito na Associação de Amparo à Maternidade e à Infância (Aami), Hospital Regional, Centro de Especialidades Médicas (CEM), Hospital Universitário, HCAA e Hospital de Amor. 

Apesar da disponibilidade gratuita, muitas mulheres não têm o hábito de realizar o exame preventivo que, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), deve ser feito anualmente na faixa etária dos 50 aos 69 anos, quando há maior incidência da doença. 

Com a ampla divulgação sobre a importância da mamografia feita na campanha do Outubro Rosa, a procura aumenta ao longo do mês. Mas, para o médico oncologista Fabrício Colacino Silva, ainda há um caminho a ser percorrido na conscientização da realização do exame periodicamente já que tabus, medos e mitos envolvendo o procedimento ainda são alguns dos obstáculos para que muitas mulheres deixem de realizar o exame.

“Entre os medos que impedem as mulheres de procurar exames preventivos, está o de ter dor durante o exame. Na verdade, é feita uma compressão leve na mamografia, necessária para que se espalhe a mama no aparelho e a gente consiga identificar alguma alteração”, afirma o médico. Outros receios, como medo de haver o diagnóstico e ser necessária mutilação, alterações na sexualidade e de enfrentar a doença são citadas pelo oncologista como possíveis motivos para que o exame seja evitado. 

Colacino é idealizador da unidade móvel de prevenção do câncer Ônibus da Saúde, parceria entre a Cassems e o HCAA que atende o interior do Estado. A unidade móvel leva equipe médica especializada responsável pela realização de mamografias e outros exames preventivos, além de procedimentos oncológicos e atividades de conscientização com a população local.

Segundo o médico, a prevenção e o diagnóstico precoce garantem até 95% de chance de cura, evitando o sofrimento e as demais consequências do câncer. “Nesse mês de divulgação, é importante falar sobre o assunto, desmistificar o problema. Por isso a gente faz palestra quase que todo dia, para tentar informar a população de como é benéfico fazer o diagnóstico precoce. A prevenção é o único e melhor caminho, é o que tem de mais nobre na medicina oncológica”, explica o médico. 

APOIO

Criado há quase cinco anos, o grupo Mulheres de Peito foi idealizado por mulheres que sofreram com o câncer de mama em Mato Grosso do Sul e leva auxílio psicológico e suporte para pacientes que enfrentam a doença, além de promover atividades de conscientização com a população sobre a necessidade da prevenção.

Uma das fundadoras do projeto, a aposentada Ivone Campos foi diagnosticada em 2001, com câncer de mama do tipo carcinoma ductal. Identificado em fase avançada, o tumor resultou em metástase óssea, que Ivone trata até hoje.

Segundo ela, o sofrimento consequente da doença teria sido evitado caso o diagnóstico tivesse sido precoce. “O câncer é uma doença silenciosa, que atinge muita gente, e se há prevenção, muita dor pode ser evitada. Aperto e incômodo na mama durante o exame de mamografia não é nada perto da dor e do sofrimento da doença, do tratamento do câncer”, afirma.

Para Ivone, existem diversas opções de acesso aos exames, mas muitas mulheres deixam de fazer por não estarem consciente da importância da mamografia. “Algumas precisam trabalhar, têm medo dos exames, não se interessam. Há muita desinformação, elas se acomodam. Mas precisamos reforçar a prevenção; descobrir o câncer bem no início pode evitar todo um processo doloroso”, enfatiza.

Também atuando no suporte de pacientes que sofrem com a doença, a Rede Feminina de Combate ao câncer do MS oferece apoio a quem precisa enfrentar o tratamento. Com o foco em pacientes com condições financeiras vulneráveis, a Rede Feminina disponibiliza casa de apoio para acolher quem vem do interior fazer radioterapia e doam cestas básicas para as famílias, além de realizarem atividades de conscientização.  

Segundo Magda Braz, presidente da instituição sem fins lucrativos, atualmente as mulheres têm abraçado a causa da prevenção no que diz respeito ao câncer de mama. “A procura tem aumentado a cada ano devido a divulgação durante o mês de outubro. O foco dos nossos trabalhos também é o incentivo ao autoexame, à mamografia. A mulher precisa estar consciente que prevenir é essencial e que não precisa ter medo do exame”, explica.

OUTUBRO ROSA

A mamografia é um dos exames que possibilitam a detecção de alterações mamárias, incluindo lesões benignas e cânceres de mama em fases iniciais. O método não invasivo é capaz de identificar tumores de poucos milímetros, não perceptíveis através do autoexame, em pacientes que ainda não manifestaram sintomas. Em Campo Grande, procedimentos de diagnóstico do câncer podem ser feitos em diversos locais.

No Hospital de Amor, são oferecidas gratuitamente 100 vagas diárias de mamografia e de papanicolau, tudo pelo SUS. Com o aumento da procura em outubro, a carreta da instituição, que realiza exames em diversos pontos da cidade, está na unidade fixa do hospital e realiza ao longo do mês diversas palestras sobre o tema. 

O agendamento para procedimentos pode ser feito pelo telefone (67) 3304-6600. Para realizar a mamografia, a paciente precisa ter entre 40 e 69 anos, e não é necessário encaminhamento médico. 

Já no HCAA, ao longo do mês de outubro são disponibilizados exames de mamografia e papanicolau gratuitamente no hospital, que normalmente só atende por meio de encaminhamentos. A unidade móvel de saúde do SESC Mulher está no local para realizar os atendimentos desde o início do mês e fica até o dia 30.

O atendimento será feito das 7h às 11h, e das 12h às 16h. Ao todo, mais de 2 mil mamografias serão disponibilizadas na campanha da instituição. Para fazer os exames, é necessário levar o RG, CPF e cartão do SUS, sem necessidade de agendamento prévio, e os exames são direcionados para mulheres de 40 a 69 anos.

 

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Governo propõe criar Delegacia de Combate à Corrupção na Polícia Civil
PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

Governo propõe criar Delegacia de Combate à Corrupção na Polícia Civil

Inquérito apura falta de equipamento para cirurgia no Regional
HOSPITAL REGIONAL

Inquérito apura falta de equipamento para cirurgia no Regional

Justiça aceita denúncia contra cinco por fraude em licitação de R$ 2 milhões
DOURADOS

Justiça aceita denúncia contra cinco por fraude em licitação

Comunidade ganha moradias e inadimplentes recebem prazo maior para regularizar contratos
HABITAÇÕES

Comunidade ganha moradias e inadimplentes recebem prazo maior para regularização

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião