Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PONTA PORÃ

Preso no interior de SP, professor acusado de assédio em Ponta Porã

Flagrante aconteceu em Cachoeira Paulista
10/07/2019 15:02 - ALINE OLIVEIRA


 

Um professor de 48 anos acusado de assediar sexualmente, pelo menos cinco adolescentes em Ponta Porã, foi preso na noite de terça-feira (9), na cidade de Cachoeira Paulista (SP).

A prisão aconteceu em razão da ação conjunta da Polícia Militar de São Paulo e da Delegacia de Atendimento à Mulher (DAM), do município sul-mato-grossense. 

De acordo com a delegada titular de Ponta Porã, Marianne Cristine de Souza, a equipe local recebeu informações de que o professor foragido estava na Canção Nova. "Diante do fato, acionamos a PM de São paulo, que conseguiu prende-lo por volta das 22h30", relatou. 

SOBRE O CASO

O professor teve a prisão decretada pela 2ª Vara Criminal de Ponta Porã, depois que a Delegacia de Atendimento à Mulher (DAM) receber denúncias sobre o comportamento do suspeito em relação as alunas adolescentes. 

A informação é de que utilizava o pretexto de ser terapeuta e convidava as meninas para irem até casa dele, argumentando que realizava massagens com pedras, para alinhar os chacras e desenvolver o corpo.

Outra informação coletada nas investigações, é de que o docente aproveitava a proximidade com as meninas, para sem consentimento tocar o corpo e fazer perguntas de cunho sexual. Contudo, somente duas vítimas formalizaram denúncias e os outros três casos seguem em investigação pela DAM.

A delegada solicitou a prisão preventiva do suspeito, a qual foi decretada pela Justiça no dia 28 de junho, ocasião em que ele alugou a casa na qual morava e fugiu para o estado de São Paulo.

A acusação feita contra o suspeito é de Importunação Sexual, crime previsto no Artigo 215-A, do Código Penal Brasileira, o qual prevê pena de 1 a 5 anos. 

 

Felpuda


Tudo indica que o MDB não conseguiu convencer o PSDB de iniciar namoro com vistas a casamento nas eleições, e a ideia teria sido descartada. Os tucanos demonstraram que o problema deles não é o cargo: os emedebistas ofereceram a vaga de vice na disputa à Prefeitura de Campo Grande, a mesma cobiçada pelos tucanos, mas na chapa do PSB do atual prefeito. A questão, politicamente falando, seria, digamos, o oferecido “noivo”. Afe!