TJ-MS

Preso com sequelas irreversíveis consegue prisão domiciliar

A defesa alega que o paciente sofre constrangimento ilegal
15/02/2015 16:30 - DA REDAÇÃO


Por maioria, os desembargadores da 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJ-MS) concederam o cumprimento de pena em regime domiciliar a um paciente atualmente internado num dos hospitais da cidade, com sequelas motoras irreversíveis.

A defesa alega que o paciente sofre constrangimento ilegal, pois oferece todas as condições para concessão de prisão domiciliar, já que se encontra internado, gravemente enfermo, com sequelas motoras permanentes, sem condições de retorno ao sistema penitenciário para o cumprimento da pena,

Esclarece que o mesmo está acometido de doença grave e permanente, Aids, bem como tuberculose, com limitação de atividade pela paralisia de membros inferiores, debilitado, o que exige cuidados contínuos impossíveis de serem prestados no estabelecimento penal, comprovado por laudo médico.

Argumenta que o paciente não tem forças nos braços para se alimentar sozinho e não possui mais controle sobre suas necessidades fisiológicas, tendo que usar fraldas que devem ser trocadas para não produzir escaras e assaduras.

Afirma ainda que o magistrado não considerou o laudo juntado nos autos principais e requereu uma perícia para confirmar o que constou nesse documento, a qual será realizada no decorrer deste ano de 2015, o que poderá ser fatal, pois nem sequer foi designada.

A relatora do processo, desembargadora Maria Isabel de Matos Rocha, denegou a ordem, sob o fundamento de que o próprio paciente foi quem abandonou o tratamento e que o Juízo da Execução Penal, em razão da incerteza quanto ao real estado de saúde do reeducando, determinou a realização de uma perícia médica.

Para o 1º vogal, desembargador Ruy Celso Barbosa Florence, a demora na realização de perícia médica determinada pelo Juízo da Execução Penal para confirmar a situação de saúde do reeducando, que foi atestada por médico que o atendeu quando esteve internado, acarreta na necessidade de se priorizar a saúde do enfermo em consonância com o teor do atestado em que o médico declarou ser o paciente portador de doenças graves e ausência de condições para que o mesmo seja tratado no estabelecimento prisional.

“A leitura atenta ao atestado médico que instruiu o presente pedido não deixa dúvidas quanto à não conclusão do tratamento em razão de intolerância a medicações, bem como aponta que o paciente se encontra com paralisia de membros inferiores, debilitado, necessitando de administração diária e regular de várias medicações, fisioterapia motora e alimentação balanceada, não havendo condições de tratamento no sistema prisional”, afirma o desembargador em seu voto.

Assim, em caso de dúvida quanto ao real estado de saúde do reeducando, diante do documento apresentado faz-se necessário que seja priorizado o tratamento médico em sede domiciliar, já que é evidente que o paciente está acamado e em situação de risco, cujo direito está previsto no artigo 117, II, da Lei de Execuções Penais.

O 2º vogal acompanhou o voto de Ruy Celso para conceder a ordem.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".