DÓLAR

Preso com quase R$ 1 mi oferece todo o dinheiro a policiais para ser liberado

O homem está detido na delegacia da Polícia Federal de Campo Grande
06/08/2015 10:33 - LAURA HOLSBACK


 

Uruguaio, de 42 anos, foi preso com quase um milhão de reais, em dólares e sem procedência comprovada, durante barreira de policiais rodoviários federais, na noite de ontem (5), na BR-262, em Miranda. O homem, que não teve o nome divulgado, viajava em um ônibus intermunicipal e tinha como destino final a Bolívia, onde entregaria o montante.

De acordo com a polícia, em procedimento de revista que é feito de praxe em abordagens, o uruguaio ficou nervoso e levantou suspeita sobre envolvimento em fato ilícito.

O dinheiro foi encontrado na bagagem dele em notas e moedas, embalado em plástico transparente, ainda, escondido em meias e sapatos.

Em dólares, a polícia contabilizou US$ 228,7 mil, valor que corresponde a R$ 800 mil. Também havia pequenas quantias em moeda boliviana e uruguaia.

SUBORNO

Na delegacia da PRF, o preso tentou subornar policiais e ofereceu todo o dinheiro para ser liberado. Por isso, foi indiciado por corrupção ativa.

Em interrogatório, o uruguaio disse que havia sido contratado em Montevidéu para entregar o montante na Bolívia. Pelo transporte, receberia US$ 4 mil (R$ 14 mil).

O caso foi encaminhado para ser investigado na delegacia da Polícia Federal em Campo Grande.

Confira abaixo o vídeo gravado pelos policiais no momento da prisão feita pelo suborno:

 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".