180 VAGAS

Prefeitura em MS abre concurso e salários são de até R$ 3,9 mil

As inscrições devem ser feitas pelo site www.facepc.org até o dia 28 de setembro
04/09/2015 14:58 - da redação


A Prefeitura de Bataguassu,distante 335 km de Campo Grande, abriu concurso público para preencher 180 vagas com salários que variam de R$ 816,59 a R$ 3.984,75. As oportunidades são para agente comunitário de saúde, agente de endemias, artesão, auxiliar de serviços gerais, borracheiro, eletricista, encanador, jardineiro, mecânico, merendeira, mestre de obras, motorista, operador de máquinas, pedreiro, pintor, recepcionista, tratorista, vigia e zelador.

Também há oferta para assistente administrativo, auxiliar de inspeção municipal, auxiliar de enfermagem, técnico em prótese dentária, técnico em radiologia, técnico de farmácia, técnico segurança do trabalho e topógrafo.

Para aqueles com formação de advogado, assistente social, biomédico, educador físico, enfermeiro, engenheiro civil, farmacêutico bioquímico, fisioterapeuta, psicólogo, médico-veterinário, médico clinica geral, ginecologista/obstetra e pediatra, odontólogo clinico, periodontista, e endodontista, e professor de educação infantil nas áreas de arte, regente, professor de ensino fundamental /anos finais/ matemática, também existe oportunidade, assim como vagas para regente, língua portuguesa, produção interativa e educação física.

As inscrições devem ser feitas pelo site www.facepc.org ou da própria prefeitura - clique aqui - até o dia 28 de setembro. As taxas são de R$ 50, R$ 80 e R$ 120.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".