CAMPO GRANDE

Prefeito sanciona lei que capacita jovens acolhidos

Adolescentes terão prioridade e cota de vagas em cursos
16/04/2019 09:49 - RAFAEL RIBEIRO


 

O prefeito de Campo Grande, Marcos Trad (PSD), sancionou nesta terça-feira (16) a lei que cria programa de prevenção ao abandono do adolescente que se encontre acolhido por entidades que desenvolvam programa de acolhimento institucional, como orfanatos ou mesmo a Unidade Educacional de Internação. O objetivo é garantir a capacitação técnica desses jovens.

Segundo o texto, os beneficiados serão os adolescente entre 14 e 18 anos, ou jovem acima dessa idade beneficiado com o que determina o Estatuto da Criança e Adolescente.

O programa, segundo o Executivo municipal, tem como objetivo garantir ao adolescente a sua qualificação técnica e a sua colocação no mercado de trabalho.

Com isso,s egundo determina a nova lei, fica garantida a preferência da sua matrícula em escolas Técnicas e cursos profissionalizantes do município.

O adolescente beneficiário da lei terá, também, preferência na contratação na qualidade de aprendiz e outros programas de profissionalização do jovem criados pela Prefeitura.

As escolas técnicas, cursos profissionalizantes e programas de profissionalização do jovem, pertencentes à gestão municipal deverão destinar 2% das suas vagas para os adolescentes indicados pela nova lei.

Ainda de acordo com o texto de Trad, a Prefeitura poderá firmar convênios com entidades públicas e privadas para a implantação e execução do presente programa.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".