EXPLICAÇÃO

Preço dos combustíveis em <br>MS será discutido em audiência

Preço dos combustíveis em <br>MS será discutido em audiência
10/09/2015 09:16 - VÂNYA SANTOS


“Preço dos combustíveis: queremos saber a verdade!” Este é o nome da audiência pública que acontecerá às 13h30min desta quinta-feira (10), na Assembleia Legislativa. Proposta pelos deputados José Carlos Barbosinha (PSB) e João Grandão (PT), a audiência visa debater abusos dos valores dos combustíveis praticados em Mato Grosso do Sul.

Segundo Barbosinha, a audiência foi proposta depois de denúncias e evidências de suposta formação de cartel. “Há a possibilidade de instalarmos uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar, se for o caso”, adiantou.

João Grandão explicou que a audiência pretende esclarecer dúvidas e entender por que valores tão díspares são praticados no Estado. "Se a questão é de frete, por exemplo, qual o motivo de encontrarmos o litro da gasolina comum por R$ 2,90 em Campo Grande e em Bandeirantes, distante apenas 70 km, o combustível custar R$ 3,42? Como se justifica essa disparidade?”, questionou.

Foram convidadas autoridades públicas do Estado, representantes da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo e Lubrificantes (Sinpetro), das distribuidoras de combustíveis, proprietários de postos e sociedade civil.

Serviço
A audiência será no Plenário Júlio Maia, no Palácio Guaicurus, que fica na Avenida Desembargador José Nunes da Cunha, Parque dos Poderes, Bloco 09.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".