Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, quinta, 15 de novembro de 2018

REAJUSTE

Policiais civis rejeitam proposta do governo e mantêm acampamento na governadoria

Em assembleia, grupo rejeitou 2,94% e não descarta acampar na casa de Azambuja

11 JUL 2017Por GLAUCEA VACCARI15h:14

Policiais civis de Mato Grosso do Sul não aceitaram a proposta de reajuste do Governo do Estado e permanecerão acampados em frente à governadoria, no Parque dos Poderes.

Segundo o presidente do Sindicato dos Policiais Civi (Sinpol), Giancarlo Miranda, proposta oferecida pelo governo era de parcelar os 7%, garantido em lei desde 2016, referente a julho deste ano, descontando os 2,94% do reajuste linear de 2017.

Assembleia geral foi realizada ontem e proposta foi rejeitada pelos policiais, que a consideraram “indecente”.

“Querem negociar com um direito já garantido em lei, reduzindo inclusive esse percentual, o que jamais aceitaremos. O que queremos é o cumprimento da Carta Compromisso, e se ele não tiver a honradez de cumpri-la, nós temos a garra de lutar até o fim dos nossos ideiais”, disse Giancarlo.

Além de manter o acampamento em frente à governadoria, que segue desde o dia 2 junho, grupo também cogita montar outro acampamento na frente da casa do governador Reinaldo Azambuja (PSDB), ainda nesta semana.

Nova assembleia geral está marcada para o próximo sábado (15), às 10h, na sede do Sinpol, em Campo Grande.

PROPOSTA

Governo do Estado propôs reajuste linear de 2,94% para todas as categorias de servidores estaduais. Em reunião realizada no dia 3 deste mês, foi informado também que o aumento seria concedido a partir de setembro, com pagamento feito em outubro.

Praticamente todos os representantes do Fórum dos Servidores, demonstraram insatisfação com a oferta. As entidades cobravam 7,45% de aumento, mas estariam dispostas a negociar com 4,5%, que é referente à inflação do período de maio de 2016 a maio de 2017.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também