INVESTIGAÇÃO

Roubo e estupro a idosa podem ter sido motivados por vingança

Nesta semana, suspeito de 21 anos foi indiciado por furto contra a mesma vítima
22/08/2015 17:12 - MARESSA MENDONÇA


O suspeito de ter violentado uma idosa de 63 anos, na madrugada deste sábado (22), em residência de Miranda, a 203 km de Campo Grande, pode ter agido por vingança. A hipótese foi levantada pelo delegado Mario Queiroz e está relacionada a outro crime cometido pelo autor, no início deste ano, contra a mesma vítima.

Conforme o delegado, nesta semana, o jovem de 21 anos foi indiciado por furto depois de ter invadido a casa da vítima no início do ano. Na madrugada de hoje, depois de ingerir drogas e bebidas alcoólicas, ele teria novamente entrado na casa, onde violentou a mulher.

“Ele confessou o estupro, mas disse que não foi por vingança”, declarou o delegado à reportagem do Portal Correio do Estado.

O adolescente, de 17 anos, que também havia sido apreendido pela polícia com suspeita de participação no crime foi liberado. “Tanto ele quanto o suspeito negaram a participação do garoto. Ele apenas deu uma carona de bicicleta para o suspeito 30 minutos antes do crime”.

O jovem vai responder pelos crimes de roubo e estupro.  

CASO

O crime aconteceu por volta das 4h em uma casa do bairro Beira Rio em Miranda, quando o suspeito pulou o muro, arrombou a porta e violentou a mulher. Ele fugiu levando R$ 40, além de comida. 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".