Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, domingo, 18 de novembro de 2018

Flagrante

Polícia Federal apreende carga de agrotóxico avaliada em mais de R$ 1 milhão

Foi arbitrada fiança de oito salário, que não foi paga pelo infrator

20 JUN 2017Por VÂNYA SANTOS13h:00

Agentes da Polícia Federal (PF) apreenderam ontem carreta com carga de agrotóxico contrabandeada do Paraguai, avaliada em mais de R$ 1 milhão. Caso aconteceu na BR-163, entre as cidades de Jaraguari e Bandeirantes. Motorista, de 27 anos, foi preso em flagrante por crime ambiental.

De acordo com a PF, carga contrabandeada estava escondida em meio a mais de 20 toneladas de adubo que seriam entregues em Sorriso, no interior do Mato Grosso.

Depois de receber denúncia de que uma carreta carregada com produto ilegal estaria em Bandeirantes, agentes federais conseguiram encontrar o veículo em pedágio na rodovia, mas abordaram o condutor somente no centro de Bandeirantes.

Em conversa com os policiais, motorista que transportava adubo de Dourados para Sorriso e receberia 12% do valor do frete, algo em torno de R$ 720,00. Ele explicou que seguiu, de ônibus, de Sinop para Dourados para pegar o frete de adubo. Em um posto de combustível, recebeu a carreta e cerca de R$ 3 mil para cobrir os custos da viagem.

Desconfiados, agentes começaram a cavar o adubo, foi quando encontraram escondidos sob o esterco os sacos de agrotóxicos, da marca estrangeira Megathon. A quantidade do produto não foi divulgada. A carreta e o motorista foram levados à Superintendência Regional da Polícia Federal em Mato Grosso do Sul.

O motorista foi autuado em flagrante por transportar carregamento de agrotóxicos de origem estrangeira, sem documentação regular de importação. Foi arbitrada fiança de oito salários mínimos, que não foi paga.

Policiais garantiram que, se vendida no mercado ilegal de agrotóxicos, a carga poderia render mais de R$ 2 milhões.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também