Campo Grande - MS, domingo, 19 de agosto de 2018

Homicídio

"Pensei que fosse uma pedrada", diz sorveteiro que socorreu baleado

Anderson Escobar da Silva morreu com tiro no peito na noite de ontem

24 OUT 2017Por RENAN NUCCI09h:01

O sorveteiro Antônio Velasque Mota, 43 anos, foi a primeira pessoa a socorrer o vizinho Anderson Escobar da Silva, 28, morto com tiro no peito na noite de ontem, no barraco onde vivia sozinho aos fundos do Parque Lageado, em Campo Grande. O homem, que é vizinho da vítima,  disse que o som do disparo saiu abafado, provavelmente por ter sido à queima roupa. "Pensei que fosse uma pedrada", disse.

Antônio conta que assistia TV quando ouviu o barulho do barraco ao lado. Ao se aproximar, encontrou Anderson no chão, sentado ao lado da porta. "Eu cheguei primeiro e vi que ele estava ofegante e já não conseguia mais falar. Aí colocamos ele na cama", explicou o sorveteiro, lembrando que, enquanto acionava o socorro, outros vizinhos chegavam para ajudar. "Um deles falou que viu o autor fugindo de bicicleta por uma rua escura".

A Polícia Civil não descarta a hipótese de que o namorado de Anderson, identificado apenas como Wesley, esteja envolvido no homicídio. As irmãs da vítima relataram que o casal costumava brigar com frequência. "Parece que uma pessoa chegou, chamou na porta e atirou logo em seguida". A vítima foi baleada no lado direito do tórax, mas morreu antes mesmo que pudesse ser socorrida. Quando o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) chegou ao local, pôde apenas constatar o óbito.

PESSOA TRANQUILA

Jurandir Castilheira, 72 anos, vizinho de frente, relatou que Anderson era uma pessoa tranquila e bem ligada à família. "A mãe e as irmãs dele estavam direto aqui". Além disso, trabalhava em um centro de reciclagem da região e raramente saía. "Todos nós fomos pegos de surpresa com a situação. Fiquei com o coração doído ao ver a mãe dele chorando enquanto a polícia trabalhava no local". 

Leia Também