Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

FORÇA POLÍTICA

Pela 1ª vez entidade de delegados<br> tem mulher na presidência

Adepol tem força e influência política no Estado
01/09/2017 18:28 - RODOLFO CÉSAR


 

Pela primeira vez em 37 anos, a entidade que representa os delegados da Polícia Civil em Mato Grosso do Sul vai ter uma mulher a ocupar o cargo de presidente. Regina Márcia Rodrigues Mota assume a presidência da Associação dos Delegados de Polícia de MS nesta sexta-feira.

Ela entrou na Polícia Civil há 17 anos, primeiro como escrivã e depois se tornou delegada. Já atuou na 1ª Delegacia de Polícia, Delegacia da Mulher, na Especializada de Repressão ao Narcotráfico (Denar) e na Especializada de Proteção à Criança e Adolescente (Depca), foi também corrregedora-geral e delegada-geral adjunta.

Regina Márcia terá mandato de dois anos e foi eleita depois de pleito realizado em 15 de julho. A posse dela na presidência da Adepol e o ineditismo de uma mulher a frente da entidade resultou em mensagem de parabenização da subsecretária de Políticas Públicas para as Mulheres do governo do Estado, Luciana Azambuja Roca.

"Tenho certeza que fará história como a primeira mulher a presidir a Adepol", escreveu Roca em rede social.

A Adepol tem força e influência política no Estado por representar 417 delegados da Polícia Civil. Entre os atos que a nova presidente terá pela frente é tentar diminuir o deficit de servidores em Mato Grosso do Sul. São 195 delegados na ativa para um quadro que prevê 330 vagas.

A nova diretoria ainda é formada pelo 1º vice-presidente Márcio Rogério Faria Custódio; 2º vice-presidente Lupérsio Degerone Lúcio; 1º secretário Paulo Sérgio de Souza Lauretto; 2º secretário Alexandra Maria Favaro; 1º tesoureiro Marcelo Renato R. de Lima Alonso; e 2º tesoureiro Alexandre Amaral Evangelista.

O evento de posse acontece na sede da Adepol, que fica no Carandá Bosque, em Campo Grande.

Felpuda


As definições no que se relaciona aos nomes para a disputa eleitoral vêm ocorrendo aqui e acolá. Pré-candidato que sonha comandar cidade o interior poderá deixar de ver o seu sonho realizado. É que o dito-cujo terá de enfrentar as lembranças de rumoroso caso que se tornou escândalo depois da denúncia de uma servidora. Há quem garanta que é só a campanha começar para a história ser contada capítulo por capítulo. Afe!