CAMPO GRANDE

Pastor é denunciado por estupro e jovem tenta suicídio no jogo da Baleia Azul

Caso acontece desde o ano passado
21/08/2017 09:00 - BRUNA AQUINO


Pastor de igreja evangélica é suspeito de assediar e estuprar jovem de 20 anos desde dezembro do ano passado, após a vítima começar a frequentar os cultos, em Campo Grande. Irmã da jovem denunciou o caso à polícia devido ela tentar suicídio.

Segundo informações do boletim de ocorrência, irmã da vítima, de 23 anos, informou que a jovem tentou se matar várias vezes e estava participando do jogo da Baleia Azul – jogo onde jovens de várias idades participam de desafios e, no final, cometem suicídio. De acordo com a testemunha, a jovem mudou o comportamento desde o ano passado, quando começou a frequentar os cultos de uma igreja.

Conforme relatos da vítima, desde dezembro do ano passado começou a ter amizade com pastor da igreja onde frequentava, porém, ele começou a ter comportamento estranho e insistiu que eles estivessem relacionamento íntimo, mas a jovem negou. Segundo a vítima, uma certa noite pegou carona com o pastor após o culto e, dentro do veículo, homem passou a mão várias vezes pelo corpo dela.

Ainda de acordo com boletim de ocorrência, o suspeito passou a perseguir a vítima e chegou a ameaça-lá. Conforme a jovem, existem fotos e mensagens comprovando que o autor a assediou e que até o mês passado o suspeito rondava a casa dela.

Caso foi registrado na Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac) no Bairro Piratininga e será investigado. O pastor ainda não foi localizado.

 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".