BR-163

Parlamentares questionam reajuste do pedágio e ANTT marca reunião

Coordenada pelo senador Waldemir Moka (PMDB), a bancada questionou a diferença
10/09/2015 17:39 - GABRIEL MAYMONE


 

Depois da CCR MSVia, concessionária responsável pela BR-163 em Mato Grosso do Sul, anunciar a elevação da tarifa do pedágio antes mesmo de começar a cobrança, parlamentares foram até a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) questionar o aumento.

Coordenada pelo senador Waldemir Moka (PMDB), a bancada questionou a diferença entre o que foi previsto em 2014, uma média tarifária na ordem de pouco mais de R$ 4,38, para uma média agora de R$ 6,48.

“Isto significa que, em um ano, houve um aumento nas perspectivas tarifárias na ordem de 48%, algo fora de qualquer razoabilidade, o que está revoltando a população mais diretamente alcançada pela utilização da rodovia”, comentou Moka.

De acordo com o presidente da ANTT, Jorge Bastos, as tarifas tiveram seus cálculos estabelecidos a partir de levantamentos estatísticos e de custos realizados em maio de 2012, e não a partir de 2014, daí a elevação de custos.

Porém, segundo Moka, nem assim ficam explicados alguns índices utilizados pela empresa vencedora da concessão da BR-163, como, por exemplo, de 0,66% para compensação dos benefícios a caminhoneiros que mantêm suspenso o último eixo dos veículos.

Como o presidente Jorge Bastos argumenta com a obrigação da agência no cumprimento do contrato com a empresa concessionária, ficou marcada para a próxima terça-feira (15) uma reunião técnica na sede da ANTT.

Do encontro de trabalho participarão técnicos consultores do Senado Federal e da Câmara dos Deputados com os técnicos da própria Agência, quando o contrato será devidamente analisado, assim como serão abertas as planilhas de custo.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".