SUS

Parceria entre Prefeitura e Hospital do Pênfigo vai tirar 60 crianças de fila por cirurgia

Cirurgias de adenoide ou amígdalas serão feitas até o fim do ano
23/01/2020 15:58 - GLAUCEA VACCARI


 

Parceria entre a Prefeitura de Campo Grande e o Hospital Adventista do Pênfigo irá permitir a realização de, pelo menos, 60 cirurgias de adenoide ou amígdalas em crianças que aguardam na fila do Sistema Único de Saúde (SUS). Procedimentos não terão custo para o município e serão realizados até dezembro deste ano.

Atualmente, este tipo de cirurgia, tanto infantil quanto em adultos, é realizado no Hospital São Julião.

As cirurgias são indicadas para pacientes que  apresentam obstrução das vias aéreas superiores por hipertrofia adenóide / amigdalas, apnéia obstrutiva, roncos, dificuldade de sono adequado, déficit de crescimento, alterações faciais (palato ogival, hipotonia muscular), infecções de repetição (com perda escolares importante), otites de repetição (adenoide hipertrófica predispõe infecções), otites médias de repetição e perda auditiva.

De acordco com a médica otorrinolaringologista Ana Paula Cavalieri Pontes, antes de serem submetidos a cirurgia, os pacientes devem passar por uma consulta e uma série de exames pré-operatórios para garantir a segurança e sucesso do procedimento.

“Com a cirurgia é possível proporcionar uma melhor qualidade de vida para a criança e que ela tenha uma infância feliz, sem complicações, e se torne um adulto saudável”, disse.

Parceria foi retomada hoje e Prefeitura ainda não divulgou quando terão inicios as cirurgias e demais detalhes.

* Com assessoria

 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".