Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

SAQUE DO FGTS

Pagamento de dívidas é principal destino para saque do FGTS

Pesquisa também aponta que sul-mato-grossense pretende utilizar o dinheiro para reformas e viagens
18/09/2019 16:47 - ALÍRIA ARISTIDES


 

Segundo levantamento realizado pelo Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento Fecomércio (IPF/MS), o sul-mato-grossense já tem destino certo para o dinheiro proveniente do FGTS. A sondagem feita pelo órgão de pesquisa aponta que 52% da população do Estado vai realizar o saque, o que representa aporte de mais de R$300 milhões para a economia do Estado.

A Caixa Econômica Federal estima que serão liberados para Mato Grosso do Sul R$ 540 milhões, o que representa 1.410 contas do FGTS. Do número total de beneficiados, cerca de 700 mil pessoas pretendem destinar o dinheiro para pagamento de contas ou débitos em aberto. “Segundo nosso levantamento, 53,4% pretendem pagar contas, o que significa cerca de R$ 160 milhões voltados ao dinamismo da economia, seja para restabelecer a situação financeira, pelo pagamento de dívidas ou para sair da inadimplência”, afirma a economista do IPF, Daniela Dias.

Para a economista do IPF, os resultados da pesquisa demonstram melhoras nas expectativas financeiras das famílias. Sobre o gasto com pagamento de contas, Daniela Dias afirma que “por si só, é uma situação que aponta um cenário positivo, pois temos, segundo a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) divulgada esta semana, 175.750 famílias que estão endividadas ou inadimplentes. Com isso, principalmente, aquelas que estão inadimplentes voltarão a ter poder de compra e crédito no mercado”, aponta.

No levantamento, gastos com viagens atingiram a segunda posição nas pretensões de uso para o saque do FGTS. Cerca de 27% dos consumidores entrevistados apontaram o intuito de destinar o dinheiro extra para viajar, o que representa cerca de R$80 milhões do montante total. Em seguida, foi citado intuito de gastar o dinheiro com reforma da casa por cerca de 20% dos entrevistados, o que equivale a R$60 milhões. Gastos com compras de bens duráveis, presentes e festas de fim de anos representaram menos do que 10% das pretensões da população. 

A pesquisa foi realizada entre os meses de agosto e setembro deste ano e contou com o cruzamento de dados secundários referentes ao desempenho da economia de Mato Grosso do Sul. 

 

Felpuda


Alguns políticos estão se aproveitando deste momento preocupante de pandemia para sugerir projetos oportunistas que, em alguns casos, são de resultados extremamente duvidosos. O mais interessante – para não dizer outra coisa – é que se for analisado o desempenho normal dessas figuras, verifica-se que essa preocupação toda nunca esteve no topo das suas prioridades. Ano eleitoral é assim mesmo. Lamentável!