Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

R$ 14 milhões

Operação desmonta quadrilha que traficava drogas para
São Paulo e Paraná

Durante 1 ano e meio, quadrilha traficou droga que somou R$ 14 milhões

4 AGO 15 - 09h:41ALINY MARY DIAS

Depois de 1 ano e meio de investigações, o Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), o Departamento de Operações de Fronteiras (DOF), o Batalhão de Operações Especiais (BOPE) e a Polícia Militar iniciaram nesta terça-feira (4) a Operação Rédea Curta. Objetivo da ação é desmontar esquema de tráfico de drogas que transportava entorpecentes de Ponta Porã para São Paulo e Paraná.

Ao todo, serão cumpridos 8 mandados de prisão preventiva em Dourados e Itaporã, 18 de busca e apreensão, sendo 16 em Doirados, um em Itaporã e outro em Ponta Porã, 6 conduções coercitivas em Dourados, quando a pessoa é levada para delegacia par prestar depoimento e seis notificações, que não foram detalhadas.

De acordo com o Ministério Público Estadual, a organização criminosa era liderada por Wilton Leite a Costa, conhecido em Dourados como Vila Vargas. Outro investigado é Gustavo Belmont da Silveira, braço direito de Wilton e responsável pela logística do transporte da droga, mais especificamente a cocaína.

A investigação revelou que a droga era transportada em compartimentos escondidos de veículos. Também havia o uso de batedores, aqueles carros que têm a função de verificar se o caminho está livre para o tráfico. A quadrilha é investigada por ter movimentado R$ 14 milhões em 1 ano e meio.

Ainda segundo o MPE, Wilton usava documentos falsos e adquiria a droga pessoalmente recebendo, inclusive, dinheiro em espécie. Valores também eram depositados em contas bancária de terceiros.

Concessionárias de veículos usados, mais conhecidas como garagens, de Dourados e Ponta Porã faziam parte do esquema, comercializando veículos ligados à quadrilha.

Além de Wilton e Gustavo, também foram identificados como integrantes da quadrilha Rogério Esterque da Silva e William Cristaldo Boeira.

Durante o 1 ano e meio de investigação, a quadrilha teria comercializado mais de 200 quilos de cocaína, 1,3 toneladas de maconha, 4,1 de crack e 1 tonelada de haxixe.  

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Teto do CTI da Santa Casa despenca por conta da chuva
CAMPO GRANDE

Teto do CTI da Santa Casa despenca por conta da chuva

Caçamba de caminhão levanta, derruba fiação e deixa bairro sem luz
CAIOBÁ

Caçamba de caminhão levanta, derruba fiação e deixa bairro sem luz

Vai pegar a rodovia? Tome alguns cuidados na sua viagem
CONFIRA DICAS

Vai pegar a rodovia? Tome alguns cuidados na sua viagem

Após quase dois meses, gripe volta a matar em Mato Grosso do Sul
INFLUENZA

Após quase dois meses, gripe volta
a matar em Mato Grosso do Sul

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião