Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

OSÍRIS

Operação desarticula célula do PCC ligada ao tribunal do crime

Ação foi realizada ontem e terminou com três criminosos presos
07/03/2019 08:47 - RENAN NUCCI


 

A Polícia Civil desarticulou ontem, durante a Operação Osíris, célula da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) ligada ao tribunal do crime, na cidade de Naviraí. A ação culminou na prisão de Rodrigo Mariano da Costa, de 22 anos, Igor Felipe Jara Canuto de Souza, 22, e de Samuel de Oliveira da Cruz, 23. Christiano Moraes dos Santos, de 34 anos, é dado como foragido.

Segundo o delegado do Setor de Investigações Gerais (SIG) Thiago de Lucena, que participou do trabalho sob coordenação do delegado Hudson Parra Miranda. Os quatro criminosos sequestraram e mantiveram em cárcere um homem de 48 anos, tido como desafeto da facção. A vítima foi capturada no dia 30 de janeiro, mas conseguiu escapar do cativeiro no dia seguinte e acionou a polícia.

O homem alegou que havia sido atraído pelo grupo até uma residência no Jardim Paraíso, sob o pretexto de que as desavenças seriam supostamente resolvidas. Lá, foi impedido de sair e ouviu conversa dos criminosos por telefone com outras pessoas que pareciam estar presas. Após ser amarrado, teve certeza de que seria executado. Enquanto o grupo preparava o transporte e procurava pela arma, a vítima conseguiu fugir e pedir ajuda.

De acordo com Lucena, um dos suspeitos já estava preso por roubo desde o dia 5 de fevereiro. Outros dois foram detidos ontem na operação e Christiano está foragido. “Além de do tribunal do crime, os integrantes da facção  também praticavam furtos de veículos, roubos, tráfico de drogas, sequestro e cárcere privado”, explicou ele.

 

Felpuda


Vêm aumentando que só os disparos de segmentos diversos contra cabecinha coroada que, até então, acreditava voar em céu de brigadeiro. O novo coronavírus chegou, ganhou espaço, continua avançando e atualmente tem sido o melhor cabo eleitoral dos adversários. A continuar assim, sem ações mais eficazes, o estrago político poderá ser grande. Observadores mais atentos têm dito que o momento não é de viver o conto da “Bela Adormecida”. Só!