Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

OPERAÇÃO CEGUEIRA DELIBERADA

Operação de Goiás executa mandado de apreensão em Campo Grande

São investigados desvios de verba no Detran de Goiás
07/11/2019 11:20 - ALÍRIA ARISTIDES


 

Uma operação deflagrada na manhã de hoje (7) pela Polícia Civil do Estado de Goiás e Secretaria de Segurança Pública, também daquele estado, contou com o apoio da corporação no Mato Grosso do Sul. A operação Cegueira Deliberada, como foi batizada, apura desvios de recursos públicos e corrupção no Departamento Estadual de Trânsito de Goiás (Detran-GO). Em Campo Grande, foi cumprido pela manhã um mandado de busca e apreensão contra um alvo da Polícia goiana. 

Além de Goiás e Mato Grosso do Sul, a ação coordenada também acontece em São Paulo e Distrito Federal, estados onde ao todo são cumpridos mais de 60 mandados de prisão e busca e apreensão. Segundo a delegada Ana Claudia Oliveira Marques Medina, titular da Delegacia Especializada de Combate ao Crime Organizado (DECO), o mandado direcionado para Campo Grande foi feito em um apartamento no bairro Tiradentes, onde residia uma ex-sócia e proprietária de uma empresa de vistoria em Goiás. O marido da mulher, também residente na cidade, não foi confirmado como alvo. 

Suspeita de envolvimento com a rede de corrupção investigada pela operação, a mulher de 50 anos residia na Capital do Mato Grosso do Sul há algum tempo. No Estado, apenas esse mandado foi executado.Segundo a delegada titular da DECO-MS, foi prestado apoio às equipes do Geccor (Grupo Especial de Combate à Corrupção) de Goiás, responsáveis pela execução da operação. No apartamento alvo do mandado, foram apreendidos documentos, celulares, computadores e outros aparelhos de informática. 

A operação, que continua ao longo da quinta-feira, conta com a participação de quase 200 policiais civis e criminais. 

  

 

Felpuda


A continuar disparando tantas críticas ácidas contradizendo o seu partido, que em nível nacional ganhou até um ministério, político cá dessas bandas poderá ser colocado de escanteio e, se continuar nessa cruzada nada palatável para as lideranças, ser convidado gentilmente a “procurar o caminhão do qual caiu”, como se diz no popular. Os comentários são de que o dito-cujo age assim mais para ganhar holofotes. Esqueceu-se, pelo que se vê, que poderá ocorrer curto-circuito. Ui!