Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CAMPO GRANDE

Ônibus e construção civil vão retornar gradualmente

Trabalho nos canteiros de obras estão liberados a partir de hoje; já na terça-feira, sistema de transporte coletivo passa a transportar funcionários das atividades essenciais
30/03/2020 09:00 - Daiany Albuquerque, Ricardo Campos Jr


 

As medidas de isolamento já completam dez dias em Campo Grande e, nesta segunda-feira (30), mais bloqueios para atividades comerciais começam a cair, ainda que gradualmente. As lojas de materiais de construção poderão abrir a partir de hoje, assim como os funcionários da construção civil, que poderão voltar ao trabalho, ainda que com restrições. Na terça-feira (31), será a vez de o sistema de transporte coletivo voltar a atender trabalhadores que não são das áreas de saúde.  

Todas as linhas terão reforço para transportar também os funcionários de empresas consideradas essenciais neste período de isolamento, como as do ramo de postos de combustíveis, farmacêutico, supermercadista, imprensa, panificação e distribuidores de produtos como gás de cozinha e água mineral.  

João Rezende, presidente do Consórcio Guaicurus, explicou ao Correio do Estado que os passageiros usarão os mesmos 11 itinerários especiais criados na semana retrasada para atender exclusivamente a quem precisava chegar aos hospitais para cumprir expediente.  

“O que foi planejado para começar na terça é uma ampliação na quantidade de ônibus. Cada rota contava com dois veículos e vai passar a ser atendida por três”, afirma.

Para o secretário municipal de Saúde, José Mauro Filho, a medida serve para atender àqueles que realmente não podem parar durante a quarentena. “Temos que manter o setor produtivo funcionando. A população precisa se alimentar e os produtos precisam chegar nesses comércios também”, diz.

Dez linhas vão dos bairros ao Centro. Outra sai do Centro e passa por grandes hospitais na região, como Santa Casa, Cassems e Unimed. Todos se encontram na Praça Ari Coelho, onde os passageiros fazem integração.

Rezende afirma que o esquema especial, batizado de Operação Covid-19, tem movimento diário de 2,3 mil pessoas. Não há estimativas do aumento com mais categorias usando o serviço.

Os primeiros dias serão um teste. A partir das próprias percepções dos usuários, pode haver adição de mais carros em algumas rotas ou implementação de mudanças nos itinerários.  

O diretor do Consórcio Guaicurus pede que as pessoas autorizadas a usar o transporte coletivo fiquem atentas aos horários de funcionamento: das 5h às 8h, das 9h50min às 13h, das 15h50min às 20h30min.  

Só poderão embarcar trabalhadores caracterizados com crachás ou uniformes. Contudo, os motoristas foram orientados a confiar na honestidade e boa-fé das pessoas nos casos de quem trabalha em mercearias e comércios pequenos de bairros, que não contam com esse tipo de identificação funcional.

HIGIENE

O presidente do Consórcio também reforça que eles fazem sua parte ao higienizar com mais frequência os veículos quando eles passam pela garagem, mas enquanto circulam pela cidade não há como fazer a desinfecção.  

Como os trabalhadores da construção e dos serviços essenciais vão dividir espaço com quem está na linha de frente no combate ao novo coronavírus, observar as etiquetas de higiene é fundamental para que a flexibilização não importe no aumento da quantidade de casos, como não levar as mãos à boca ou aos olhos depois de segurar nos corrimãos, por exemplo.

“A partir do momento em que o ônibus está na rua, é realmente um desafio para nós mantermos essa atividade com segurança. Não podemos garantir que haverá luvas, máscaras e álcool em gel para todos os passageiros, então cada um deve providenciar sua proteção”, afirmou Rezende.

CONSTRUÇÃO CIVIL

A partir desta segunda-feira, as atividades da construção civil poderão ser retomadas, desde que atendam aos requisitos estabelecidos pelo Ministério Público do Trabalho, como fornecimento do lavatório com água e sabão e orientação aos trabalhadores; manter ambientes de trabalho que não estão a céu aberto ventilados; máquinas e ferramentas limpas e esterilizadas antes e depois do trabalho; esterilização de grandes superfícies; restrição da entrada de pessoas que não trabalham no canteiro de trabalho; manter distância social em ambientes fechados de pelo menos 1,5 metro entre as pessoas; avaliar implantação de turnos diferentes de trabalho; afastar e encaminhar para atendimento médico as pessoas com sintomas do coronavírus, entre outras.

RESTAURANTES

Na semana passada, outras duas atividades econômicas foram autorizadas a receber os clientes: restaurantes e lotéricas. A flexibilização atendeu a uma diretriz do governo federal, contudo, repleta de normas locais impostas pela prefeitura para evitar o contágio.

Esses locais só podem operar se tiverem álcool em gel. As filas têm de ter distância mínima de 1,5 metro entre os consumidores. No caso dos bares e restaurantes, a lotação máxima é de 30% da capacidade e todos os frequentadores devem ter a temperatura medida na entrada. O espaço deve ter frequência de higienização redobrada e todos os funcionários devem usar equipamentos de proteção.

 
 

Felpuda


Sindicalista defende o fim de mordomias e privilégios dos políticos e dos integrantes de outros Poderes, conforme divulgação feita por sua assessoria. Para ele, está na hora de se colocar um basta nessa situação, questionando, inclusive, o número de parlamentares e de assessores. Entretanto, não demonstra a mesma aversão por aqueles dirigentes de sindicatos que se perpetuam no poder e que comandam mais de uma entidade, assim como ele. Afinal, o exemplo deve vir de casa, né?