Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

SEM DUPLICAÇÃO

OAB vai à justiça solicitar fim<br> do pedágio da rodovia

Obras de duplicação foram paralisadas pela concessionária
07/05/2017 16:09 - Izabela Jornada


 

A Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Mato Grosso do Sul (OAB/MS), finaliza estudo para questionar na justiça  a suspensão da duplicação da BR-163. A análise que vem sendo feita é para identificar medidas cabíveis que podem ser questionadas em defesa do interesse dos usuários da rodovia.

Na última quinta-feira (5), a Comissão de Direito Administrativo (CDADM) apresentou parecer à diretoria da OAB sobre contrato entre a União e a CCR MS Via, concessionária responsável pela duplicação.

Segundo o vice-presidente da CDADM, Paulo Eugênio Portes, a paralisação da duplicação é um ato que infringe o contrato entre a concessionária e o Governo Federal. Por esse motivo, a comissão solicita a suspensão da cobrança dos pedágios até que seja apresentado "fundamento plausível" à paralisação perpetrada pela empresa concessionária.

Outros quatro membros da comissão, Matheus Sayde Belle, Raiana S. Barbosa, Assahd Milan Neto e Vanter Henrique G. Antunes, receberam documentos, na semana passada, e apuraram até o feriado de 1º de maio fazendo estudos sobre o contrato administrativo entre União e CCR MSVia, o edital da licitação da Agência Nacional de Transporte (ANTT), bem como os princípios e leis que regulamentam a concessão e a administração pública.

A diretoria da OAB/MS vai analisar o parecer adotado pela comissão e, caso seja decidido favoravelmente, serão apresentadas medidas em defesa do interesse dos usuários da rodovia.

Vale lembrar que no início de abril, a empresa protocolou na ANTT pedido de revisão de contrato, alegando redução de 35% na arrecadação prevista inicialmente.

Felpuda


Partido está aos poucos montando a que vem sendo chamada de “chapa do quartel”, pois os pré-candidatos são oriundos da caserna. Há quem diga que os dirigentes da legenda ainda estão querendo pegar carona no “fenômeno Bolsonaro”, esquecendo-se que o presidente, embora vindo da área militar, está na política há 30 anos e o seu programa de governo agradou 57,7 milhões de eleitores. Dizem que tchurminha será obrigada a adicionar mais ingredientes no currículo, senão...