Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

NOVO CENTRO

Na 14 de Julho, lojistas trocam insatisfação por otimismo

Conforme a prefeitura, 85% do serviço já está finalizado, o que tem deixado o comércio otimista

21 AGO 19 - 09h:56FÁBIO ORUÊ

Faltando cerca de três meses para a entrega das obras do Reviva Campo Grande, que deve acontecer em novembro, os comerciantes da Rua 14 de Julho trocaram o descontentamento que era visto no começo do ano – quando as intervenções eram feitas nas principais quadras da via – pela esperança de que o futuro será próspero.

Depois de verem as vendas despencarem, os lojistas acompanham a finalização das obras com otimismo. Gerente de uma loja de utensílios na 14, Milene Alves, 25 anos, contou que tem esperança de que os campo-grandenses voltem a consumir no centro. “Nós tivemos um prejuízo de 70% e precisamos recuperar. A gente pensa em fazer promoções para chamar o público quando tudo ficar pronto”, disse.

Já a gerente de uma loja de roupas Samara Silva, 19 anos, acredita que a solução para acabar com a falta de movimento seja a divulgação. “Eu acredito que [o reviva Campo Grande] seja uma melhoria tanto para nós lojistas quanto para o público”, argumentou.

Ainda que a parte elétrica esteja sendo finalizada e os operários e eletricistas trabalhem nas calçadas, que também têm partes interditadas e inacabadas, os comerciantes já notaram uma mudança no movimento da área central. “Nós tivemos uma redução de 50% nas vendas desde que as obras começaram, então, a nossa expectativa é de que agora melhore, e muito”, disse.

Os comerciantes enfrentaram meses de poeira e terra, enquanto operários trabalhavam no subterrâneo. Além disso, quando as calçadas estavam sendo reformadas, os pedestres não tinham por onde passar e precisavam usar o asfalto para transitar no centro.

Conforme a gerente de uma loja de roupas que preferiu não ser identificada, os clientes reclamavam muito das obras, o que fez com que deixassem de frequentar o centro da Capital. No entanto, com o andamento das etapas, ela contou à reportagem que também percebeu o aumento no movimento e que os clientes estão dando retorno positivo.
“A gente ouve bastante [os clientes] e eles falam que tá ficando mais bonito, que está bem iluminado à noite, mais seguro. A nossa expectativa é de que aumente mais”, disse. 

Além disso, os dirigentes desta loja pensam em estender o horário de atendimento para receber o público que pode ir ao centro no período da noite. O objetivo é recuperar as vendas, que baixaram em cerca de 60%.

ANDAMENTO 

Atualmente, as obras do Reviva Centro se concentram na 14 de Julho, entre a Avenida Afonso Pena e a Rua Dom Aquino. A quadra entre a Rua Barão do Rio Branco e a Dom Aquino está interditada para a passagem de veículos.

Com 85% das obras concluídas, faltam apenas os setores de pavimentação da pista de rolamento e pavimentação das calçadas (75%), rede elétrica, telecomunicação (95%), rede de iluminação pública e infraestrutura para a Agência Municipal de Transporte e Trânsito (Agetran), segurança e TI, com quase 90%.  

Conforme relatório da Engepar, empresa responsável pela intervenção, os trabalhos que ainda estão no início da execução são o setor de mobiliário urbano, 58%, e sinalização viária, com 10%.

 A 14 passa por obras em uma extensão de 1.400 metros, da Avenida Fernando Corrêa da Costa até a Avenida Mato Grosso. A conclusão dos espaços se dará com a retirada dos postes e a implantação do paisagismo. A requalificação já teve instalação de luminárias com LED, Wi-Fi, câmeras de segurança e preservação do patrimônio histórico cultural.

Um das principais vias da cidade, a 14 de Julho passa por alargamento das calçadas, instalação de mobiliário urbano, retirada dos postes, embutimento da rede, instalação de canaletas, totens especiais, galerias subterrâneas para abrigar a fiação, além do projeto de paisagismo. 

ADITIVO

Ainda está em análise o pedido de aditivo para a obra, solicitado pela empresa que venceu a licitação, Engepar Engenharia, da prefeitura. O Correio do Estado publicou reportagem sobre a intenção da empresa de receber o valor adicional no dia 18 de março deste ano. 

A prefeitura informou que a análise do pedido foi encaminhada a um especialista do Banco Interamericano do Desenvolvimento (BID) e desde então, diante de críticas da população, nada mais foi informado sobre o assunto.  

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Confira ruas que serão interditadas no fim de semana
CAMPO GRANDE

Confira ruas que serão interditadas no fim de semana

Decisão do TJ sobre PRF que matou empresário abre precedente no STF
RICARDO SU MOON

Decisão do TJ sobre PRF que matou empresário abre precedente no STF

Após um mês, emissão de RG é regularizada em Mato Grosso do Sul
FINALMENTE

Após um mês, emissão de RG é regularizada em MS

“Eu sei de tudo ‘véio’”, disse mandante para vítima em assalto na Vila Carlota
MÃO ARMADA

“Eu sei de tudo ‘véio’”, disse mandante para vítima em assalto na Vila Carlota

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião