Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

INFRAÇÕES

Multas por crime ambiental
tiveram recuo de 55,6% em 2018

O comparativo é referente ao ano de 2017

10 FEV 19 - 14h:11IZABELA JORNADA COM PMA

Multas por caça ilegal teve recuo de 55,6% em 2018, comparado com o balanço divulgado pela Polícia Militar Ambiental (PMA) no ano de 2017. Foi aplicado valor de R$ 51.460,00 no ano passado e R$ 116.000,00 em 2017. O registro da PMA revelou que em 2018, 30 pessoas foram autuadas, esse número é 14,2% menor que o registrado em 2017.

O valor de multa por animal tem variações, tem multas que custam R$ 500 por animal, essas penalidades são para animais que não constante nas listas de espécies brasileiras em extinção e da Convenção sobre Comércio Internacional de Espécies da Flora e da Fauna em Perigo de extinção (CITIES).

Já a multa para os animais que são considerados em extinção é de R$ 5 mil, por exemplo, para um caçador que abateu uma capivara a multa é de R$ 500 e para aquele que matou uma anta a multa é de R$ 5 mil.

O número de autuados também não significa maior quantidade de ocorrências, pois em alguns casos, os caçadores estão em grupos e todos são autuados independentemente de terem abatido um único animal durante a caçada. Ou seja, em ocorrência em que cinco caçadores foram pegos por abate de uma anta, por exemplo, a multa aplicada foi de R$ 5 mil para cada um, e todos respondem pelo crime.

Ainda, a prevenção bem feita também mascara os números. Várias vezes, a PMA prendeu pessoas com armas de caça e munições por porte ilegal de armas, quando na verdade, estavam caçando, mas ainda não haviam abatido animais. Dessa forma, não há como comprovar a caça e as pessoas não são autuadas pelo crime ambiental, devido à falta de animais abatidos.

A Lei de Crimes Ambientais (Lei Federal nº 9.605/1998) e o Decreto Federal nº 6.514/2008, que regulamenta a parte administrativa da Lei (multas) protege tanto a fauna, como o seu subproduto. Ou seja, são as mesmas penalidades para quem abateu uma onça, ou que esteja com um pedaço de couro dela, sem autorização dos órgãos ambientais.

A penalidade criminal é de seis meses a um ano e meio de detenção e multa. De todos os trabalhos executados pela PMA de prevenção e minimização aos crimes contra a fauna, dentre eles a caça, é a Educação Ambiental.

FISCALIZAÇÃO DE PROTEÇÃO À FAUNA

Para proteger a fauna, a PMA realiza atividades sincronizadas. Previne e reprime o tráfico de animais silvestres, a manutenção em cativeiro ilegalmente, a caça ilegal e os maus-tratos à fauna silvestre e exótica e, principalmente, a prevenção, por meio da Educação Ambiental.

Além disso, protege a fauna nos perímetros urbanos, realizando capturas e orientado à população, trabalho este, que vem realizando há 32 anos, que não é de sua competência primária.
A execução é feita até que os órgãos técnicos que cuidam das questões administrativas ambientais assumam essa responsabilidade, pois, se o animal aparecer nos centros urbanos não é crime e nem infração administrativa e o papel constitucional primário da PMA é a prevenção e a repressão aos crimes e infrações ambientais.

*Com assessoria

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Médicos expõe livros na Academia de Medicina de MS
LITERATURA

Médicos expõe livros na Academia de Medicina de MS

Mutirão recolherá materiais inservíveis em bairro da Capital
AÇÃO CIDADE LIMPA

Mutirão recolherá materiais inservíveis em bairro da Capital

Após morte de peixes, MP abre inquérito para apurar regularidade de esgoto
RIO ANHANDUÍ

Após morte de peixes, MP abre inquérito para apurar regularidade de esgoto

UFMS abre inscrições em concurso com salários de até R$ 10 mil
30 VAGAS

UFMS abre inscrições em concurso com salários de até R$ 10 mil

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião