Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

VIOLÊNCIA

Mulher mata servente de pedreiro a <br>facadas para defender filha de agressão

Crime ocorreu durante confraternização de Ano Novo no Jardim Noroeste
01/01/2018 07:54 - RENAN NUCCI e RAFAEL RIBEIRO


Churrasco que deveria ser motivo de celebração da chegada do Ano Novo terminou de forma violenta na noite de ontem, no Jardim Noroeste, em Campo Grande. Para defender a filha de agressões, mulher de 32 anos matou o servente de pedreiro Edivânio Teodoro da Silva, de 32 anos, com facada no pescoço. A autora sofreu três perfurações, mas não corre risco de morte.

Conforme apurado, a mulher e familiares estavam reunidos na confraternização, quando por volta das 22 horas, Edivânio passou em frente à residência, localizada na Rua Senador Vergueiro. Como era conhecido dos moradores, ele foi convidado a se juntar para participar, apesar de estar embriagado.

Durante o churrasco, Edivânio começou a se desentender com as demais pessoas e passou a ofendê-las, conforme relatado à polícia, sem motivo aparente. Em seguida, deu um soco no rosto de uma adolescente de 15 anos, filha da moradora, pegou uma faca e tentou matá-la. Assustada, a menor correu, mas foi perseguida.

Temendo pela vida da filha, a mulher se armou com outra faca e foi atrás de Edivânio. Ele deu três facadas nela, mas ela conseguiu revidar. Os dois foram socorridos, mas o servente de pedreiro não resistiu e morreu dentro da ambulância, a caminho do hospital. A mulher foi levada para a Santa Casa e está fora de risco.

De acordo com o delegado Enilton Pires Zalla, plantonista da delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac) do centro, Edivânio era foragido da Justiça por envolvimento com drogas. Ele afirmou ainda não ter prendido a autora por entender que ela agiu para proteger a filha, além de ter telefonado para a polícia informando a ocorrência.

 

Felpuda


Figurinha começou a respirar aliviada, embora ainda esteja na corda bamba. Isso porque mudou de mãos o processo cuja sentença poderá mandá-la para casa definitivamente. Assim, pela “jurisprudência” com a qual o “analista” é conhecido, pode ser que o resultado seja bastante favorável, permitindo que a então desesperada pessoa continue com o assento em Brasília. Vamos ver!