Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

NOVA ANDRADINA

Mulher de 48 anos morre depois de esperar 6 dias por vaga na UTI

Paciente deu entrada no hospital regional na segunda (17)
23/06/2019 14:50 - ALINE OLIVEIRA


 

Depois de aguardar por seis dias por uma vaga na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), no Hospital Regional de Dourados, Irani Rodrigues Evaristo, 48 anos, não resistiu e morreu neste domingo (23), na unidade hospitalar de Nova Andradina. 

Conforme apurado pelo Nova News, a filha da paciente, Ariane Evaristo, explicou que a mãe foi para o hospital, na segunda-feira com dores de cabeça e vomitando sangue.

No segundo dia (18), o quadro de Irani piorou e ela precisou de um balão de oxigênio para respirar. Já na quarta-feira (19), foi induzida ao coma e só então, transferida para UTI do Hospital Regional de Nova Andradina. 

O diagnóstico informado à filha foi de Acidente Vascular Cerebral (AVC) hemorrágico e foram realizados vários testes, no entanto, o cérebro da paciente não reagia.

A equipe local solicitou uma vaga com urgência na UTI de Dourados para realizar exames neurológicos, mas, foi repassado aos familiares que não tinham nenhum leito desocupado. 

APELO

No sábado (22), Ariane utilizou a rede social para contar o drama que vivia e pediu ajuda para autoridades políticas, a fim de que intercedessem no atendimento em Dourados. Apesar da angústia, elogiou a atuação dos médicos e enfermeiros do Hospital Regional Francisco Dantas Maniçoba. 

Ao final do dia, a jovem foi informada que não poderiam mais realizar a transferência, pois, os órgãos de Irani começaram a parar de funcionar e a morte foi oficializada hoje (23). 

*Com informações do Nova News

 

Felpuda


Alguns políticos estão se aproveitando deste momento preocupante de pandemia para sugerir projetos oportunistas que, em alguns casos, são de resultados extremamente duvidosos. O mais interessante – para não dizer outra coisa – é que se for analisado o desempenho normal dessas figuras, verifica-se que essa preocupação toda nunca esteve no topo das suas prioridades. Ano eleitoral é assim mesmo. Lamentável!