Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

SAÚDE

MS tem uma notificação de dengue a cada 5 minutos

Capital tem cinco vezes o número de notificação que outras cidades

11 OUT 19 - 10h:41RAFAEL RIBEIRO

O período epidêmico passou e o temnpo secou, mas nem por isso a dengue deixou de ser uma preopcupação em Mato Grosso do Sul. Com os dados do boletim divulgados pela Secretaria de stado da Saúde nsta semana, o Estado chega à média de uma notificação nova da doença a cada cinco minutos.

Segundo os números, são 33.205 casos contabilizados ao todo no ano até a última quarta-feira (8), data do último boletim divulgado pela Pasta.

O número é 1,4% maior que o apresentado no último dado publicado pela secretaria.

Mais da metade das notificações ocorreram em Campo Grande: 16.284 casos. O número é quase cinco vezes maior que o registrado pela segunda cidade sul-mato-grossense com mais notificações, Três Lagoas, com 3.509 casos.

A doença fez 27 vítimas ao longo de 2019. Campo Grande e Dourados registraram cada oito casos. A última morte foi de uma idosa, de 78 anos, moradora do município do interior. Em Três Lagoas são três mortes e Coxim mais duas. Maracaju, Ponta Porã, Corumbá, Costa Rica, Amambai e Miranda têm uma morte cada.


Dos 79 municípios, 75 apresentam alta incidência, ou seja, acima de 300 casos por 100 mil habitantes. Somente Aquidauana, Anastácio, Inocência, Juti e Paranhos estão na lista de municípios com média incidência da doença, registrando de 100 a 300 casos por 100 mil habitantes.

PRECAUÇÃO

Agora, com o retorno do período chuvoso, aumenta a preocupação das autoridades com o número de casos da doença transmitida pelo mosquito Aedes aegypti.


A principal forma para combater a proliferação das doenças transmitidas pelo Aedes aegypti, como dengue, zika e chinkungya, é evitando a proliferação do mosquito, efetuando a limpeza das calhas, caixas d’água e piscinas.

Os potes de água dos animais de estimação, pratos que ficam em baixo de vasos de plantas, banheiros que não são frequentemente utilizados e até brinquedos espalhados pelo quintal também precisam de atenção, já que os ovos do mosquito permanecem no recipiente por até seis meses mesmo sem água, esperando o momento exato para eclodirem.

AÇÕES

Mesmo com r$ 15,5 milhões a menos, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, oficializou em julho o repasse de R$ 9,5 milhões para a Secretaria Municipal da Saúde de Campo Grande, sendo que o pedido feito era de R$ 25 milhões.  

O pedido de recurso extra para o combate ao mosquito transmissor da Dengue, Zika e Chicungunha foi pedido em março. O prefeito de Campo Grande Marcos Trad (PSD) disse que o combate e o tratamento dos pacientes infectados estavam sendo custeado exclusivamente pelo município.  
 
De acordo com o Ministério da Saúde, a verba deve ser destinada para a compra de reagentes, realizações de exames, aquisições de insumos como leitos, macas, poltronas para hidratação, soro, agulhas, colchões e medicamentos. 

Trad chegou a ir para Brasília tentar liberar esse recurso que veio aquém do esperado. Incialmente, o prefeito tinha pedido R$ 28 milhões que foi negado. O novo pedido que foi agora de R$ 25 milhões era para ser usado nos gastos provenientes  de medicamentos, plantões e exames. 

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

BRASIL

Envolvimento de agentes de saúde pode acelerar diagnóstico de câncer

BRASIL

Tratamento para doenças raras precisa de investimentos em pesquisa

BRASIL

Motorista embriagado invade lanchonete, atropela 4 e mata jovem

Gaeco pede que juiz mantenha  prisão de policiais ligados a Name
MILÍCIA NA CADEIA

Gaeco pede que juiz mantenha prisão de policiais ligados a Name

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião