Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PREPARAÇÃO

Mato Grosso do Sul tem a maior taxa de ocupação de leitos de UTI do Brasil

Levantamento do Ministério da Saúde mostra que estado tem 90,8% das vagas ocupadas
30/03/2020 14:13 - Eduardo Miranda


Mato Grosso do Sul tem a maior taxa de ocupação de leitos de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) do Brasil, aponta levamento do Ministério da Saúde publicado nesta segunda-feira (30). O Estado tem uma taxa de 90,8% dos leitos ocupados, indica o jornal O Globo, e é seguido pelos estados do Paraná (90%) e Minas Gerais (88,5%). A média nacional de ocupação de leitos de UTI é de 78%.  

Os números constam em documento reservado que o jornal teve acesso. Questionado sobre os dados do documento, que mostram elevadas taxas de vagas ocupadas em muitos estados, o ministério informou que elabora um plano para “desafogar e reduzir a ocupação de leitos de terapia intensiva, com medidas clínicas, de manejo de pacientes e de gestão”.

Conforme o documento, elaborado no dia 27 de março, Mato Grosso do Sul tem 187 leitos de UTI existentes ou em criação, enquanto a quantidade necessária seria de 316, um déficit de 129. No Brasil, a oferta é de 11.425 leitos, e a demanda, de 8.300: déficit de 1.623.  

Sobre os leitos de enfermaria, segundo o jornal, são 408 leitos existentes ou em criação. O necessário seria 1.531 leitos. O déficit é de 1.123 instalações. No Brasil, são 20.758 leitos existentes ou em criação, enquanto a demanda durante a pandemia do coronavírus, que causa a doença Covid-19, seria de 40.258 leitos.  

DISCREPÂNCIA

Os números do relatório do Ministério da Saúde destoam do divulgado pelas autoridades locais. Segundo a secretaria estadual de Saúde, seriam 513 leitos de UTI no Estado, e mais 227 seriam adaptados para atender a demanda da Covid-19.  Eles seriam "comprados" na rede particular. 

Números do DataSus, a central de dados do Sistema Único de Saúde (SUS), indica que o Estado tem 5.596 leitos nas redes pública e particular. Deste total, 2.220 estão em Campo Grande. Mais da metade dos leitos da Capital (1.317) pertence à rede pública.

 
 

Felpuda


Sindicalista defende o fim de mordomias e privilégios dos políticos e dos integrantes de outros Poderes, conforme divulgação feita por sua assessoria. Para ele, está na hora de se colocar um basta nessa situação, questionando, inclusive, o número de parlamentares e de assessores. Entretanto, não demonstra a mesma aversão por aqueles dirigentes de sindicatos que se perpetuam no poder e que comandam mais de uma entidade, assim como ele. Afinal, o exemplo deve vir de casa, né?