Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, segunda, 19 de novembro de 2018

greve médicos

MPT tenta bloquar bens
de presidente da Santa Casa

Pedido foi feito para tentar pagar salário de médicos

19 SET 2017Por RODOLFO CÉSAR20h:05

O Ministério Público do Trabalho entrou com ação para bloquear bens do presidente da Associação Beneficente Campo Grande (ABCG), administradora da Santa Casa, Esacheu Cipriano. O pedido foi feito hoje na 3ª Vara do Trabalho da Capital e também tenta bloquear recursos do hospital.

A medida foi tomada porque o Sindicato dos Médicos de Mato Grosso do Sul (Sinmed) anunciou a greve na Santa Casa, que teve início às 19h de hoje. O movimento foi decidido depois de assembleia geral realizada na segunda-feira (18).

A entidade também fez a denúncia ao Ministério Público do Trabalho no dia 11. Em junho a mesma reclamação também foi feita.

“É latente a lesão aos trabalhadores da requerida que já suportam há treze dias o atraso em seus pagamentos devidos neste mês, bem como sucessivos atrasos em competências pretéritas”, informou o procurador Paulo Douglas Almeida de Moraes.

Ele ainda relatou no pedido feito à Justiça do Trabalho que a Santa Casa estaria agindo de má-fé ao alegar que não tem saldo para os pagamentos por falta de repasse de recursos do Sistema Único de Saúde (SUS).

"Quando considerada a informação contida no ofício do Sinmed relatando que, segundo o secretário municipal de saúde (Marcelo Vilela), o município já repassou 86% das verbas”, sustentou o procurador.

O salário dos médicos da Santa Casa é pago em atraso desde o mês de março, informou o sindicato. No dia 6 de setembro, 5º dia útil, deveria ser depositado, o que não aconteceu.

Em junho, os médicos do hospital iniciaram uma greve pelo mesmo motivo. A Justiça do Trabalho, na ocasião, confiscou os valores necessários ao pagamento da remuneração dos médicos, o que evitou a paralisação.

Com a greve iniciada hoje à noite, os atendimentos de urgência e emergência funcionam em 70% e os médicos de atendimentos eletivos e ambulatoriais permanecem em 30%.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também