MEIO AMBIENTE

MP e UEMS firmam parceria e criam convênio para proteger rios de MS

Programa foi criado em março deste ano
23/05/2019 09:42 - BRUNA AQUINO


 

Em março deste ano o Ministério Público Estadual (MPE) e a Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS) firmaram parceria para a criação de Convênio de Cooperação Técnica e Científica no intuito de proteger e preservar os rios do estado. Ontem (22), o Promotor de Justiça do Núcleo Ambiental Luciano Furtado Loubet se reuniu com representantes da universidade para tratar de assuntos relacionados ao convênio.

Conforme divulgado pelo Ministério Público, o convênio tem o objetivo de promover o intercâmbio, interação e complementação entre as Instituições e dar suporte científico ao MP para a defesa do meio ambiente e na proteção das Bacias  Hidrográficas dos rios Paraná e Paraguai, na elaboração e execução de diagnóstico ambiental dos córregos Curupai e Engano – “Projeto SOS Rios Curupai-Engano”; e implementação do programa Centro Integrado de Proteção e Pesquisa Ambiental (CEIPPAM-UEMS).

Na reunião, os representantes da UEMS conheceram o trabalho desenvolvido pelo Núcleo de Geotecnologias (NUGEO) que irá auxiliar no fornecimento de dados e diagnósticos das nascentes de rios que vão, futuramente, ser trabalhos na recuperação das matas ciliares e também na implementação em Campo Grande do “Projeto Água para o Futuro” que trata das nascentes urbanas. As deliberações técnicas e de estratégia serão acordadas entre a UEMS e as Promotorias de Justiça da Capital.

 

 

 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".