CAMPO GRANDE

Motoristas se arriscam e veículos ficam presos em alagamentos

Na Marquês de Pombal, água invadiu calçada, no Tiradentes
15/04/2019 15:03 - GLAUCEA VACCARI


 

Chuva rápida que caiu em Campo Grande na tarde de hoje foi suficiente para deixar diversas ruas alagadas. No bairro Tiradentes, avenida Marquês de Pombal foi tomada pela água, causando transtorno a motoristas e pedrestes que tentavam passar pelo local.

De acordo com dados da estação automática do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), chouveu 7,6 milimetros durante a tarde. Apesar de rápida, a chuva foi intensa e isolada, caindo apenas algumas regiões da cidade.

Conforme leitor do Correio do Estado, que preferiu não ser identificado, ele seguia para o trabalho em um carro com uma motorista de aplicativo e o veículo acabou ficando preso no alagamento, na Marquês de Pombal. 

"Foi questão de seis minutos, saímos do seco e acabamos no alagamento. O carro perdeu o parachoque e outras peças começaram a se soltar do veículo", disse, acrescentando que como estava a caminho do serviço, precisou descer e não pôde esperar para auxiliar a motorista, que ficou no local esperando. 

Na rotatória da rua da Divisão com a George Chaia o alagamento também causou transtornos e veículos baixos não conseguiram passar pelo trecho. Um carro precisou ser empurrado após tentar passar pelo local e enguiçar.

Alagamentos também foram registrados em pontos da rua 14 de Julho e outras vias da região central. 

Trecho da Marquês de Pombal ficou totalmente alagado - Foto: Rafael Ribeiro / Correio do Estado
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".