Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, sábado, 17 de novembro de 2018

Falso frete

Motorista é amarrado e mantido em cárcere por 13 horas durante roubo de caminhão

Vítima é de Minas Gerais e tentava voltar com veículo carregado

9 NOV 2018Por RENAN NUCCI07h:45

Motorista de 36 anos passou por momentos de tensão ao ficar refém de bandidos por 13 horas ontem, em Campo Grande. Os criminosos o atraíram por meio do anúncio de falso frete, o amarram e em seguida roubaram o caminhão. A vítima foi liberada por volta das 23 horas e pediu socorro ao Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar (Bope).

De acordo com o boletim de ocorrência, o motorista disse que é de Minas Gerais e veio a Mato Grosso do Sul para fazer uma entrega na quarta-feira (07), em Miranda. Como é de costume, procurou um frete para não voltar com o veículo vazio para seu estado e ganhar um dinheiro extra. Ele entrou em um site específico para este tipo de serviços e encontrou um pedido de frete com rota por Corumbá.

Ele entrou em contato com o responsável pela solicitação e combinou o encontro que seria na região do Núcleo Industrial, em Campo Grande. Ontem pela manhã, por volta das 10 horas, se encontrou com o suspeito, identificado apenas como Joãozinho, que disse que a carga estaria em outro local e pediu carona, dizendo que indicaria o endereço correto.

Logo ao embarcar no caminhão, Joãozinho sacou um revólver calibre 38 e anunciou o assalto. A vítima foi até o local ordenado, onde duas pessoas os esperavam. Os bandidos então cobriram a cabeça do motorista com uma toalha e o levaram para o cativeiro. Lá, o amarraram pelas mãos e pés e cobriram novamente seu rosto, desta vez com capuz.

O homem foi mantido refém até por volta das 23 horas, quando foi liberado e pediu socorro. Ele disse que o criminoso que o abordou era moreno e aparentava 20 anos. Os demais não conseguiu ver. Ao consultar a seguradora, foi informado que o caminhão em Porto Suárez, na Bolívia. O caso é investigado.
 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também