CAMPO GRANDE

Motorista de aplicativo é amarrado e feito refém por mais de dez horas

Vítima foi abandonada próxima a museu e teve carro e dinheiro roubados
22/05/2019 09:16 - EDUARDO PENEDO


O motorista de aplicativo Daniel de Brito Rodrigues Wengenroth Cardoso, 29 anos, ficou mais de 10 horas amarrado e teve sua carteira, celular e carro roubado na tarde desta terça-feira (21), por volta das 14h30, na Avenida Ernesto Geisel, no Jardim Nhanha, em Campo Grande. 

Segundo a Polícia Civil, Cardoso estava trabalhando como motorista de aplicativo quando foi abordado por duas pessoas próximo ao Shopping Norte Sul Plaza para fazer uma corrida até o bairro Dom Antônio Barbosa. A vítima informou o valor para as duas pessoas e elas embarcaram. No meio do trajeto, um dos bandidos que estava no banco do passageiro da frente sacou uma arma de fogo e encostou na barriga do motorista.

Eles transitaram pela cidade e foram até uma casa, onde amarraram a vítima e a deixaram no local por pelo menos 10 horas. Passando esse tempo, a vítima foi colocada na porta malas do carro e levado até próximo ao museu José Antônio Pereira.

O motorista, depois de solto, ligou para o irmão e foi atendido por policiais militares, que já estavam em sua busca. A vítima teve a carteira roubada com pelo menos R$ 130, o veículo e o celular. As investigações estão sendo feitas pela Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac) do Centro.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".