Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

MARIA DA PENHA

Morto ao atacar major da PM violentou primeira esposa por 12 anos, diz polícia

Delegada trabalha com a tese de legítima defesa, já que representante comercial invadiu casa da vítima armado com faca
21/02/2020 13:50 - Ricardo Campos Jr


 

O representante comercial morto depois de atacar a ex-namorada manteve a primeira esposa sob constantes episódios de violência doméstica por cerca de 12 anos. Hilário Bueno Carvalho, 52 anos, não aceitava o fim do relacionamento com uma major da Polícia Militar e invadiu a casa dela armado com uma faca com 30 centímetros de lâmina na tarde de ontem, mas a mulher reagiu e atirou na cabeça dele.

A delegada Fernanda Félix Carvalho Mendes disse, em entrevista coletiva nesta sexta-feira (21), que a primeira vítima do relacionamento abusivo não chegou a registrar os casos, mas que está disposta a prestar depoimento para reforçar a tese de legítima defesa.

Hilário também tem passagens não relacionadas à violência doméstica. Ele já foi fichado por vias de fato em 2017, lesão corporal em 2016 e ameaça em 2012. Esses casos ajudam a polícia a traçar o perfil violento do agressor.

Além disso, o relacionamento com a major da PM terminou em setembro de 2019 depois que ele a espancou e manteve em cárcere privado por sete horas depois de passar o dia inteiro tendo crises de ciúme durante um churrasco com amigos. A agente levou o caso à Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (DEAM), que conseguiu na Justiça medida protetiva.

Os oficiais não conseguiram encontrar Hilário para informá-lo pessoalmente, mas um edital tornou pública as restrições: o representante comercial não poderia manter contato ou ficar a menos de 200 metros da ex.

Isso não o impediu, contudo, de mandar mensagens ameaçadoras para ela, que poderão ser usadas como prova. "Inconformado com o fim do relacionamento, como a maioria dos casos de violência contra a mulher, ele tentava reatar de maneira abusiva e violenta", disse Fernanda.

 
 

O CASO

A major da PM chegou em casa e notou um cheiro estranho e sinais de que havia alguém na casa. Ela mora sozinha com o filho que tem mais de 18 anos, mas o jovem não estava no local. A vítima chegou o primeiro andar do sobrado e ao descer as escadas em caracol, deu de cara com Hilário, que segurava a faca.

O que aconteceu em seguida ainda é obscuro, já que a vítima ficou muito transtornada e está internada em um hospital particular de Campo Grande.

Vizinhos escutaram gritos da mulher e o barulho do disparo. A vítima saiu caminhando em choque pela rua pedindo socorro e entregou a arma, que pertence ao Estado e utiliza durante o serviço como PM, a um vizinho. “Ela mal conseguia falar, ficou muito nervosa”, disse a delegada.

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionado e chegou a encaminhar Hilário para a Santa Casa, mas ele não resistiu.

A DEAM sustenta a tese de legítima defesa diante das evidências. Vizinhos e a própria vítima ainda devem ser ouvidos em momento oportuno.

 

Felpuda


Pré-candidato pode estar sendo “fritado” sem ao menos perceber. Redes sociais que têm estreitas ligações com ex-cabecinhas coroadas e que prometeram apoio estão enaltecendo que só certo pré-candidato de outro partido. Quem conhece as ditas figurinhas de, digamos, outros carnavais, acredita que está em curso operação sorrateira para mudar internamente os rumos da futura campanha. Trocando em miúdo: ceder a cabeça de chapa.