DOURADOS

Morre em hospital homem baleado por cunhado durante briga familiar

Reinaldo de Oliveira Alves, de 35 anos, foi atingido por dois tiros
28/08/2017 12:31 - MARESSA MENDONÇA E GLAUCEA VACCARI


 

Homem ferido na noite de domingo em propriedade rural de Indápolis, distrito de Dourados morreu hoje no Hospital da Vida.

Reinaldo de Oliveira Alves, de 35 anos, tinha sido atingido com tiro nas costas e nuca. O suspeito pelo crime, Hugo Aparecido Sinfronio, 41, era cunhado da vítima e ainda não foi encontrado pela polícia.

Segundo informações do Dourados News, o crime aconteceu na noite de ontem quando  várias pessoas estavam na residência e Sinfronio teria se irritado quando seu filho perdeu uma chave.

Uma discussão teve início até que o Sinfronio entrou na casa, pegou revólver calibre .38 e atirou para o alto.

Oliveira  tentou conter o suspeito e foi atingido por um tiro nas costas e outro na nuca. A esposa dele, de 39 anos, também foi baleada.

Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi chamado e encaminhou o homem até o Hospital da Vida. Já a mulher foi levada até o hospital por testemunhas.

A mulher do suspeito foi encontrada escondida em uma casa próxima ao local do crime. Ela não soube informar o paradeiro do marido, mas há suspeita que ele tenha fugido para Fátima do Sul.

Outras duas pessoas estavam na residência no momento da confusão, mas não tiveram ferimentos. Depois do crime, veículo do atirador foi destruído pelos familiares.

Caso foi registrado na Delegacia de Polícia Civil como tentativa de homicídio.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".