FÓRUM

Ministros vêm a Campo Grande debater segurança pública na fronteira

Fórum Permanente de Segurança acontece amanhã, na Uems
18/07/2018 08:55 - RENAN NUCCI


 

A segurança nas fronteiras será tema de fórum que ocorre amanhã, no auditório da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (Uems) em Campo Grande, com a presença dos ministros Raul Jungmann, da Segurança Pública, e general Joaquim Silva e Luna, da Defesa. 

O objetivo é debater meios de enfrentamento ao crime organizando que avança na linha internacional com a Bolívia e Paraguai, por meio da presença de facções como o Primeiro Comando da Capital.

A pedido da Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Mato Grosso do Sul (OAB/MS), e Associação Comercial de Campo Grande (ACICG), o Senador Pedro Chaves viabilizou a vinda dos Ministros. O convite também foi feito em reunião em Brasília com a Comissão de Segurança Pública da OAB, representada por Cláudia Paniago e Isabela Saldanha. 

“A vinda dos Ministros significa o reconhecimento da relevância de Mato Grosso do Sul no desenvolvimento de uma política de estado para a segurança pública na região de fronteira”, explica Claudia Paniago.  A Presidente da Comissão de Segurança Pública da OAB/MS acredita que o fórum pode trazer resultados positivos à população sul-mato-grossense.

 “É muito importante a plena integração de MS ao  Sistema Único de Segurança Pública (SUSP) e o mais relevante de tudo, que se defina, com clareza, quais são as atribuições da União, do Estado, dos Municípios quanto a segurança pública na região de fronteira”, citou.  O Fórum Permanente de Segurança na Fronteira tem início amanhã, às 8 horas.
 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".