Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

FALHA

Ministro lança campanha,
mas vacinas estão em falta

Postos não têm doses da tetra viral e DTP, que imunizam sete doenças

25 JUL 19 - 08h:37IZABELA JORNADA

Na mesma semana em que o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, esteve em Campo Grande para participar, ao lado do cantor Michel Teló, de ações do movimento Vacina Brasil – além de inaugurar a primeira unidade do Saúde na Hora e formalizar a liberação de R$ 167 milhões em investimentos para Mato Grosso do Sul –, a realidade de quem precisa do Sistema Único de Saúde (SUS) é de abandono e descaso. 

Vacinas obrigatórias que protegem contra sarampo, caxumba, rubéola e varicela (a tetra viral) e ainda difteria, tétano, coqueluche (a tríplice bacteriana – DTP) estão em falta nos postos de vacinação da Secretaria Municipal de Saúde (Sesau). A própria pasta confirmou o problema em nota, afirmando não ter previsão de quando os estoques serão abastecidos.

Enquanto isso, a população sofre. No Centro Regional de Saúde (CRS) Tiradentes, a fila de espera para receber a DTP era grande enquanto a reportagem esteve no local. Em poucos minutos, a equipe flagrou pelo menos três mães saindo do local com seus filhos – sem imunizar as crianças. A autônoma Andressa Lins, mãe do Caio, de um ano e quatro meses, foi uma delas. “Ele já está com um mês da vacina atrasada e eu não sei se tem no particular, mas eu não posso pagar. E o poder público deveria arcar”, reclamou.

A estudante Juliana Serrouchamy, 22 anos, também flagrou mães deixando o local sem conseguir a imunização. “Estou aqui na fila e acabei de ver uma mãe indo embora porque não conseguiu vacinar. Ainda bem que vacinei meu filho no mês passado da DTP”, lembrou ela, que desta vez foi em busca da vacina contra a meningite. 

A reportagem apurou que no CRS Tiradentes, a DTP está em falta há um mês. E para quem vai até lá a informação repassada é de que não há previsão de quando os estoques serão reabastecidos.

Na Unidade de Saúde da Família do bairro Iracy Coelho – onde Mandetta participou de solenidade há três dias – a vacina também está em falta e a informação que os funcionários receberam é de que doses poderão chegar na semana que vem. A sala de vacina tinha apenas três doses disponíveis em estoque. Dez chegaram na segunda-feira (22), dia que o ministro esteve em visita oficial, porém sete já haviam sido aplicadas. A falta de vacina também é registrada na unidade desde o início do mês.

A reportagem esteve ainda na Unidade Básica de Saúde Jockey Club, no Bairro Piratininga. No local, não havia nenhuma criança na fila para vacinar contra a DTP. Mas a informação é de que a unidade também não tem doses da vacina.

EXPLICAÇÃO

A Sesau informou que as vacinas administradas são fornecidas pelo Ministério da Saúde. Entretanto, não têm sido enviadas doses da tetra viral (sarampo, caxumba, rubéola e varicela). Quanto a DTP (difteria, tétano e coqueluche) a quantidade fornecida não é suficiente para atender a demanda. “Em ambos os casos não há previsão do órgão federal para regularização dos estoques”, disse a pasta.

Para substituir a tetra viral, é possível administrar duas vacinas: a tríplice viral (sarampo, caxumba, rubéola) e a varicela. Sendo assim, havendo indicação da tetra viral, ela é substituída pela tríplice + varicela, alcançando o mesmo efeito imunológico. “As unidades de saúde contam com estoque regular da tríplice e varicela. Quanto à DTP, não há solução alternativa”, afirmou a Sesau.

O valor da DTP em hospitais e laboratórios particulares é de aproximadamente R$ 180. A vacina tríplice bacteriana é ministrada em três doses, aos 2, 4 e 6 meses de vida da criança, com reforços entre 15 e 18 meses e, depois, entre 4 a 6 anos de idade.

CAMPANHA

O cantor sertanejo Michel Teló, que é embaixador do Movimenta Vacina Brasil, em prol da campanha de vacinação contra a hepatite viral, participou da abertura das ações ao lado de Mandetta na segunda-feira (22) e falou sobre a importância da vacinação e de manter o calendário de imunização – especialmente das crianças – em dia. “Eu e minha esposa cuidamos muito disso para os nossos filhos. É muito importante”, afirmou na ocasião.

Mandetta também anunciou que, a partir do ano que vem, haverá mais facilidade na hora da vacinação porque as carteiras passarão a ser apresentadas e atualizadas por aplicativo do celular. “No ano que vem, a gente deve ter a vacina todinha nos aplicativos para que as pessoas possam ter a portabilidade e não depender mais dos cartões”.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Simone diz que reformas podem ser discutidas simultaneamente
TRIBUTÁRIA E PREVIDÊNCIA

Reformas podem ser discutidas ao mesmo tempo, diz Simone

Cantora sertaneja denuncia o ex-namorado por agressão na Capital
INVESTIGAÇÃO

Cantora sertaneja denuncia o ex-namorado por agressão

Após demora em atendimento, jovem ofende funcionários e danifica carros
SE IRRITOU

Após demora em atendimento, jovem ofende funcionários e danifica carros

Mistura de queimadas com frente fria explicam dia cinza em MS
TEMPO

Queimadas e frente fria explicam dia cinza em MS

Mais Lidas