Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

EDUCAÇÃO

Ministério confirma três escolas de MS em programa cívico-militar

Pasta não indicou quais são as unidades participantes

21 NOV 19 - 13h:49ADRIEL MATTOS

Duas escolas de Campo Grande e uma unidade em Corumbá, cidade no oeste de Mato Grosso do Sul, foram selecionadas pelo Ministério da Educação (MEC) para o Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares (Pecim). O anúncio foi feito na manhã desta quinta-feira (21), mas a pasta não indicou quais são as escolas que farão parte do programa.

O MEC levou em conta critérios como a escola inscrita estar na capital do estado ou pertencer à região metropolitana, estar situada na faixa de fronteira; e a faixa populacional, considerando a realidade estadual. Logo no lançamento, o governo abriu prazo para as unidades da Federação manifestarem interesse. Mato Grosso do Sul, Distrito Federal e outros 14 estados aderiram. Depois, foi a vez dos municípios, e mais de 600 cidades pediram para participar — incluindo Corumbá.

Em 2020, a pasta destinará R$ 54 milhões para estados e municípios se adaptarem ao Pecim, sendo R$ 1 milhão por instituição de ensino. São dois modelos. Em um, de disponibilização de pessoal, o MEC repassará R$ 28 milhões para o Ministério da Defesa arcar com os pagamentos dos militares da reserva das Forças Armadas. Os outros R$ 26 milhões vão para a administração local aplicar nas infraestruturas das unidades com materiais escolares e pequenas reformas. Nestas escolas, atuarão bombeiros e policiais militares.

ADESÃO

No último dia para estados e municípios interessados se inscreverem no programa, o governo do estado anunciou a indicação das duas escolas de Campo Grande para o Pecim. As escolas estaduais Alberto Elpídio Ferreira Dias, no Jardim Anache; e Marçal de Souza, no Jardim Los Angeles fazem parte de uma lista de 54 unidades que podem aderir ao projeto em 2020.

Esse modelo visa fortalecer as áreas didático-pedagógica, educacional e administrativa. Nessas duas últimas áreas, haverá a participação dos militares. A Secretaria de Estado de Educação realizou uma consulta pública nos dois bairros, tendo 93% de aprovação no Anache e quase 80% nos Los Angeles.

Segundo a Secretaria de Estado de Educação (SED), caberá ao estado administrar as unidades e suas despesas. Um servidor ocupará a direção, tendo como coordenador outro professor e um militar, que deve comandar as atividades do projeto.

Na grade de ensino, a novidade será a inserção de uma disciplina referente à atuação dos militares. O restante das unidades curriculares serão as mesmas utilizadas nas demais escolas da Rede Estadual de Ensino (REE), que contemplam a Base Nacional Comum Curricular (BNCC). A SED frisou que o Pecim não vai “militarizar os estudantes”, e que os militares não ocuparão cargos dos profissionais da educação.

Já no início deste mês, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, confirmou a adesão de Corumbá. O anúncio foi feito durante reunião com a bancada de Mato Grosso do Sul no Congresso Nacional. Participaram da reunião o senador Nelson Trad Filho (PSD), coordenador da bancada, os deputados federais Fábio Trad (PSD) e Rose Modesto (PSDB), além do deputado Renan Contar, o Capitão Contar (PSL).

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Escola do Estado recebida pela prefeitura será de tempo integral
EDUCAÇÃO

Escola do Estado recebida pela prefeitura será de tempo integral

INFRAESTRUTURA

Estrada que liga Bonito à Serra da Bodoquena ganhará asfalto

A obra custará R$ 6.095.389,93 e deverá ser conclluída em quatro meses
Prefeitura contrata nova empresa para vistoriar transporte coletivo
EDITAL

Prefeitura contrata nova empresa para vistoriar transporte coletivo

Juiz Odilon desiste do plano de disputar eleição municipal
APOSENTADO

Juiz Odilon desiste do plano de disputar eleição municipal

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião