CANDIDATO A REELEIÇÃO

"Meu maior concorrente nas eleições 2020 é Deus", afirma Marcos Trad

Prefeito está confiante que será reeleito ao cargo de chefe do Executivo
16/05/2019 11:47 - EDUARDO PENEDO


 

O prefeito de Campo Grande, Marcos Trad (PSD), está bem confiante que será reeleito ao cargo de chefe do executivo municipal nas eleições de 2020. "Sou candidato a reeleição. Meu maior concorrente  é Deus. Se Deus avaliar e aprovar minhas atitudes, ele vai me reconduzir”, explica o prefeito.

Marcos Trad explica que é contra a reeleição, mas mesmo assim será candidato. “Sou candidato a reeleição sim, mesmo sendo contra, a legislação me permite. Eu cumpro as leis. Eu sou um legalista”, argumenta. 

Ele explica que muitos pré-candidatos a prefeitos em vez de solidarizarem com as ações para ajudar a divulgar Campo Grande não o fazem e maximizam as ações que não beneficiam o municipio. “ Campo Grande vai participar do Rally dos Sertões e quase não foi divulgado, mas se uma pessoa cair em um buraco vai ser amplamente divulgado. Não estou falando que não pode criticas, até deve, mas se elogiar não está fazendo propaganda para o gestor e sim para ao municipio”, explica.

Até hoje, são pré candidatos a prefeitura de Campo Grande, o ex juiz federal Odilon de Oliveira, a deputada federal Rose Modesto, os deputados estaduais Marcio Fernandes (MDB), Capitão Contar (PSL), o vereador Valdir Gomes (PP), o ex-prefeito Alcides Bernal (PP), além dos ex-governadores André Puccinelli (MDB)  e Zeca do PT, o chefe de gabinete do governador Reinaldo Azambuja, Carlos Alberto de Assis (PSDB).

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".