Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

TRÂNSITO

Mesmo sem simulador, <br>custo da CNH não deve cair

Resolução do Contran torna facultativo o uso do equipamento
18/06/2019 09:14 - LUANA RODRIGUES E THIAGO GOMES


 

Resolução do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) publicada no Diário Oficial da União de ontem (17) torna facultativo o uso de simulador de direção veicular no processo de formação de condutores para a obtenção da Carteira Nacional de Habilitação (CNH). As medidas começam a valer no prazo de 90 dias, mas não devem impactar no valor da carteira.

O  presidente do Sindicato dos Centros de Formação de Condutores de Mato Grosso do Sul, Wagner Prado, acredita que, num primeiro momento, é possível que haja uma pequena redução no preço da habilitação de novos condutores sem o uso dos simuladores. Mas, segundo ele, ainda é muito cedo para se fazer uma afirmação exata, pois a resolução do Contran torna o uso do equipamento opcional, ou seja, o aluno do curso de formação poderá utilizar o simulador, caso deseje. Diante disso, as autoescolas precisarão avaliar se continuam ou não com os equipamentos.

Atualmente, em Mato Grosso do Sul, existem perto de 100 simuladores em utilização, cerca de 40 deles em Campo Grande. Alguns centros de formação optaram por adquirir os equipamentos, em custos de aproximadamente R$ 45 mil. Outros estão utilizando de forma compartilhada, em regime de comodato com empresas proprietárias.

As novas regras preveem, ainda, redução de 25 para 20 no número de horas-aula práticas nas autoescolas.

Felpuda


Sindicalista defende o fim de mordomias e privilégios dos políticos e dos integrantes de outros Poderes, conforme divulgação feita por sua assessoria. Para ele, está na hora de se colocar um basta nessa situação, questionando, inclusive, o número de parlamentares e de assessores. Entretanto, não demonstra a mesma aversão por aqueles dirigentes de sindicatos que se perpetuam no poder e que comandam mais de uma entidade, assim como ele. Afinal, o exemplo deve vir de casa, né?