Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

PENDÊNCIAS

Estado regulariza repasses à Santa Casa, que não paga médicos

Saúde informa que neste ano foram repassados ao hospital R$ 10,5 milhões

17 ABR 19 - 10h:00NATALIA YAHN

Em meio à suspensão de cirurgias eletivas e alguns outros procedimentos especializados, por falta de pagamento a médicos prestadores de serviço, a Santa Casa já recebeu, somente neste ano, R$ 10,5 milhões em repasses da Secretaria Estadual de Saúde (SES). Segundo o secretário de Saúde, Geraldo Resende, as contrapartidas do Estado ao estabelecimento hospitalar encontram-se em dia, de janeiro até esta semana.

De acordo com Resende, no caso da Santa Casa de Campo Grande, os pagamentos são feitos diretamente para o Fundo Municipal de Saúde, que, por sua vez, os repassa para a Associação Beneficente de Campo Grande (ABCG), em razão de o município ter a gestão plena do Sistema Único de Saúde (SUS). 

“Conforme as pactuações feitas entre a Santa Casa, o município, o Estado e a União, estamos com a nossa parcela de responsabilidade em dia e esperamos que a instituição [hospital] possa prestar a sua contrapartida, oferecendo serviços de qualidade à população, dentro do papel de grande importância que esta ocupa na saúde pública de nossa capital e de Mato Grosso do Sul”, destacou o secretário. 

No início do mês, um grupo de cirurgiões de diversas especialidades, entre elas cirurgia geral, videolaparoscopia, oncologia, gastro e aparelho digestivo, anunciou  a suspensão das atividades ambulatoriais (consultas) e cirurgias eletivas a partir do dia 5 deste mês. O acompanhamento de pacientes também estaria interrompido. A medida, informada ao Ministério Público, é por conta dos constantes atrasos nos pagamentos de honorários e serviços prestados, além da falta de regulamentação contratual dos especialistas e de aumento reiterado da carga de trabalho. A situação estaria inviabilizando a prestação adequada do serviço “com remuneração justa”. 

A tendência é de que o problema se agrave, pois no mesmo aviso os médicos alertaram que, caso a situação não seja resolvida, as atividades do serviço de cirurgia geral, bem como a participação na residência médica da especialidade, serão encerradas a partir do dia 5 de maio.

Ontem, profissionais voltaram a afirmar que ainda não receberam os repasses em atraso. Os médicos frisaram também que vão manter a paralisação e continuarão atendendo apenas casos de urgência e emergência.

DINHEIRO

Segundo o secretário de Estado de Saúde, Geraldo Resende, de janeiro deste ano até esta semana, foram repassados R$ 10.578.689,69 para a instituição.

O esforço do governo em atualizar os repasses para a Santa Casa de Campo Grande faz parte da estratégia que engloba unidades hospitalares de todo o Estado, visando oferecer todas as condições para que essas instituições possam normalizar os serviços prestados à população, pagando também em dia salários de médicos, enfermeiros e outros profissionais da saúde.

“Estamos fazendo todo o possível para colaborar com as unidades hospitalares de Mato Grosso do Sul, a fim de que possam diminuir as filas de procedimentos como consultas, cirurgias e exames. Nosso desafio, por determinação do governador Reinaldo Azambuja, é propiciar saúde de qualidade aos moradores de todas as regiões do Estado”, salientou o secretário.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Segunda etapa da campanha de vacinação começa nesta segunda
GRIPE

Segunda etapa da campanha de vacinação começa segunda

Feriado sem mortes, mas 1,6 mil são autuados por excesso de velocidade
RODOVIAS FEDERAIS

Mais de 1,6 mil são autuados por excesso de velocidade

Pacientes esperam até 6 horas por atendimento em CRS da Coophavilla
SAÚDE

Pacientes esperam até 6 horas por atendimento em CRS

Frente fria passa pelo Estado e temperaturas caem nesta segunda
TEMPO

Frente fria passa pelo Estado e temperaturas devem cair

Mais Lidas