Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, sexta, 18 de janeiro de 2019

IFDM

Mato Grosso do Sul tem duas cidades entre as cinco melhores do Centro-Oeste

Costa Rica e Três Lagoas são os municípios mais desenvolvidos no Estado

9 DEZ 2015Por Glaucea Vaccari16h:50

Mato Grosso do sul tem dois municípios entre as cinco mais desenvolvidas da região Centro-Oeste, segundo avaliação do Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal (IFDM) 2015. Conforme o levantamento, que tem como base dados oficiais de 2013, Costa rica está na 3ª posição e Três Lagoas na 4ª.

Com relação as capitais, Campo Grande ficou na sétima colocação entre as mais desenvolvidas do país. No levantamento anterior, com dados de 2012, a capital sul-mato-grossense ocupava a 6ª posição.

Na lista dos 500 piores municípios do Brasil, Paranhos e Tacuru aparecem na lista. No ranking geral, os municípios ocupam as posições 5.279 e 5.357, respectivamente. O IFDM avaliou um total de 5.517 municípios.

Ainda em relação ao ranking geral, os municípios mais bem avaliados do Estado aparecem na 92ª e 96ª colocação, sendo eles Costa Rica e Três Lagoas. A Capital ocupa a posição de número 277. Já na avaliação estadual, São Gabriel do Oeste e Naviraí completam a lista dos cinco mais desenvolvidos. 

IFDM

Criado pelo Sistema Firjan (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro) para acompanhar o desenvolvimento socioeconômico do país, o IFDM avalia as condições de emprego, renda, educação e saúde de todos os municípios do Brasil. Nesta edição, o índice aponta que, já em 2013, a nota brasileira, composta pelos indicadores de Educação, Saúde, Emprego e Renda, ficou em 0,7441 ponto, com aumento de apenas 0,2% na comparação com o ano anterior.

Em 2015, esse indicador de Emprego e Renda poderá atingir 0,5204 ponto – menor patamar da série – já que o país deve perder mais de um milhão de postos de trabalho formais e a renda deve avançar menos que a inflação, corroendo o poder de compra do trabalhador. 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também