Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CLIMA

Mato Grosso do Sul tem a maior<br> estiagem dos últimos nove anos

Não chove há 50 dias em alguns pontos do norte do Estado
26/07/2017 07:00 - DA REDAÇÃO


 

Estiagem que já dura 50 dias em Mato Grosso do Sul e 38 dias em Campo Grande é a mais longa desde 2008, quando foram registrados 27 dias sem chuva. E o problema deve continuar pelo menos nos próximos onze dias. Por enquanto, a previsão é de ausência de chuva até o dia 6 de agosto.

Caso a estimativa se concretize, o Estado e a Capital poderão chegar a dois meses e 48 dias sem chuva, respectivamente. 

Mas a estiagem pode durar ainda mais, especialmente por conta da situação climática do Brasil.

“Continua sem previsão de chuva, pelo menos nos próximos dias não tem nada. A situação é séria, de alerta. O que chamamos de centro de alta pressão, popularmente conhecida como massa de ar, bloqueia o avanço de qualquer sistema que chega do sul do Estado, que se dissipa e vai para o oceano. Enquanto estiver chovendo no Nordeste, aqui no Centro-Oeste permanece como está. É uma gangorra, e a dinâmica tem este comportamento influenciado pela Amazônia”, explica o meteorologista Natálio Abrahão Filho.

A situação é de alerta também por causa da baixa umidade relativa do ar, com mínimas em 15% e máximas de 25%, e das queimadas nas áreas urbana e rural.

Em Campo Grande, por exemplo, o longo período sem chuva elevou o número de incêndios em vegetação em 84,6%, nos seis primeiros meses deste ano em relação ao mesmo período de 2016. Os casos passaram de 339 em 2016 para 626 em 2017.

*Leia reportagem, de Natalia Yahn, na edição de hoje do jornal Correio do Estado.

 

Felpuda


Alguns políticos estão se aproveitando deste momento preocupante de pandemia para sugerir projetos oportunistas que, em alguns casos, são de resultados extremamente duvidosos. O mais interessante – para não dizer outra coisa – é que se for analisado o desempenho normal dessas figuras, verifica-se que essa preocupação toda nunca esteve no topo das suas prioridades. Ano eleitoral é assim mesmo. Lamentável!