Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

DADOS DE SATÉLITE

Mato Grosso do Sul lidera ranking de aumento de queimadas no País

De janeiro a agosto, focos representam o triplo do registrado em 2018
18/08/2019 15:47 - GLAUCEA VACCARI


 

Mato Grosso do Sul lidera, ao lado de Rondônia, o ranking de estados com maior aumento de registros de queimadas neste ano, em comparação com o ano anterior. Focos de queimadas já são três vezes maior de janeiro a agosto deste ano no Estado.

De acordo com o Climatempo, dados detectados pelo satélite de referência AQUA_M-T, administrado pela Nasa, apontam que, de 1º de janeiro até o dia 17 de agosto, foi observado um aumento de mais de 210% nos focos de queimada no Estado, com 3.251 focos registrados em 2019, ante 1.047 em 2018;

Em Corumbá houve o maior aumento, com aproximadamente dez mais focos de queimadas. No ano passado, foram 158 registros, enquanto neste ano já houve 1.731.

As queimadas podem surgir espontaneamente por causa do calor e da ausência de chuvas, mas no Brasil ainda é uma prática utilizada para limpeza de terrenos para preparo do plantio da próxima safra. Infelizmente os sensores do satélite não permitem diferenciar qual a fonte dos focos de queimadas.

QUEIMADAS

O mês de agosto é considerado o mais crítico do ano quando o assunto é queimadas e os bombeiros recebem dezenas de chamados por dia para combate ao fogo.

O período é caracterizado pela baixa umidade do ar, altas temperaturas e aumento nos ventos, fatores que favorecem a ocorrência de focos de incêndio.

Além das condições favoráveis, há ainda a falta de conscientização da população, já que a maior parte dos incêndios são provocados por ações humanas e ainda é uma prática comum a queimada para limpeza de terrenos e para preparo do plantio para a próxima safra.


 

Felpuda


Sindicalista defende o fim de mordomias e privilégios dos políticos e dos integrantes de outros Poderes, conforme divulgação feita por sua assessoria. Para ele, está na hora de se colocar um basta nessa situação, questionando, inclusive, o número de parlamentares e de assessores. Entretanto, não demonstra a mesma aversão por aqueles dirigentes de sindicatos que se perpetuam no poder e que comandam mais de uma entidade, assim como ele. Afinal, o exemplo deve vir de casa, né?