Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, sexta, 14 de dezembro de 2018

Grupo de extermínio

Nando e mais dois serão levados a júri popular por homicídio de adolescente

Trio matou Lessandro Valdonado de Souza em agosto de 2016

14 MAR 2018Por RENAN NUCCI10h:05

O juiz Aluízio Pereira dos Santos, da 2ª Vara do Tribunal do Júri de Campo Grande, pronunciou Luiz Alves Martins Filho, o Nando, Talita Regina de Souza e Jean Marlons Dias Domingues pela morte do garoto Lessandro Valdonado de Souza, de 13 anos. A decisão representa que os três, ligados a grupo de extermínio que fez mais de dez vítimas na região do Danúbio Azul, serão levados a júri popular e submetidos ao conselho de sentença. 

Segundo a Justiça, o crime ocorreu no dia primeiro de agosto de 2016, em cemitério clandestino usado pelo bando na Rua dos Astronautas, no Jardim Veraneio, aos fundos do Parque dos Poderes. Chefiados por Nando, eles atraíram a vítima até o local, sob pretexto de consumo de drogas, oportunidade em que a mataram por asfixia e depois enterraram o corpo. O menino foi morto porque flagrou Talita, sua cunhada, traindo seu irmão com rival.

"Narrou a denúncia que Talita, em comunhão de desígnios com os coacusados, utilizando de uma corda, estrangulou a vítima. Relatou que Luiz Alves concorreu para a empreitada criminosa ao conduzir a vítima ao local do crime, bem como por ter providenciado a corda utilizada para consumar o delito; sendo que Jean, por sua vez, concorreu para a prática do crime garantindo a superioridade numérica em relação a Lessandro", lê-se nos autos.

Líder do grupo de extermínio, Nando já havia sido pronunciado pela morte de um homem identificado pelo apelido de Café, crime que teve apoio de Michel Henrique Vilela Viera e Jean. Também chegou a ser pronunciado com Claudinei Augusto Orndelles pelo homicídio de Daniel de Oliveira Barros, mas o processo não prosseguiu por falta de provas. Isso não significa que serão absolvidos, já que o Ministério Público Estadual pode recorrer.
 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também