Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

PRESO EM CAMPO GRANDE

Justiça nega liminar e mantém no ar reportagem sobre delegado do caso Adélio

13 MAR 19 - 11h:09AGÊNCIA ESTADO

O juiz Marco Antônio de Melo, da 18ª Vara Cível de Belo Horizonte, negou liminar ao delegado da Polícia Federal Rodrigo Moraes Fernandes, responsável pelas investigações do atentado contra o presidente Jair Bolsonaro (PSL) em Juiz de Fora (MG), e manteve no ar reportagem da rádio Jovem Pan que publicou detalhes do passado funcional do policial.

O autor do atentado, Adélio Bispo de Oliveira, foi preso logo após o ataque, na tarde de 6 de setembro do ano passado. Com uma faca, ele golpeou o então candidato à Presidência que fazia campanha em uma rua central da cidade mineira.

O delegado alega à Justiça sofrer "ataques infundados" contra a sua "honra e imagem" após publicação de diversas reportagens sobre sua atuação como chefe da Assessoria de Integração das Inteligências da Secretaria de Defesa Social na gestão do ex-governador Fernando Pimentel (PT), em Minas, e como diretor de Inteligência da Secretaria Extraordinária para Grandes Eventos no governo Dilma.

A reportagem principal foi divulgada pela Pan em 24 de setembro do ano passado e é o alvo da ação, que pede a sua retirada do ar O jornalista Augusto Nunes também é citado no processo.

O delegado afirma ter sido "acusado implicitamente de parcialidade, interesse pessoal e prevaricação no tocante ao comando das investigações".

Segundo Fernandes, devido a falta de provas de envolvimento de terceiros no atentado contra Bolsonaro, decidiu concluir a investigação apontando Adélio Bispo como único suspeito, o que teria motivado interpretações erradas sobre sua atuação após a divulgação das reportagens.

Nos autos, foi apresentada manifestação de Flávio Bolsonaro, filho do presidente e à época candidato ao Senado, em que exigia a saída de Fernandes do comando das investigações e sua substituição por "outro delegado politicamente isento".

O delegado da PF afirma sofrer "ameaças de morte e xingamentos desde a repercussão das reportagens".

Ao julgar o pedido de liminar, o juiz Marco Antônio de Melo citou o entendimento do Supremo Tribunal Federal sobre a Lei de Imprensa, o qual versa que "a retirada de matéria jornalística de circulação configura censura em qualquer hipótese", sendo admitida somente em "situações extremas".

"O caso em tela, a respeito da veracidade dos fatos alegados, verifica-se das expressões que se pretende a retirada de circulação, a meu ver, que em momento algum, foi veiculada informação totalmente mentirosa pelos requeridos", considera. "Não se pode confundir a interpretação dada pelo autor das matérias em relação aos fatos com a própria veracidade dos fatos "

Segundo Marco Antônio de Melo, da 18.ª Vara Cível de Belo Horizonte, não se pode atribuir à emissora ou ao jornalista a "responsabilidade pelos comentários de usuários da rede mundial de computadores a respeito do tema". Por esse motivo, decidiu rejeitar o pedido de liminar e manter o texto no ar.

"O texto jornalístico, em si, não demonstra, data vênia, ao menos, a um exame perfunctório próprio desta espécie de tutela, o caráter depreciativo que se procura fazer crer, não podendo ser confundido com a interpretação a ele dada pelos leitores", afirma.

Defesa

A reportagem busca contato com o delegado federal Rodrigo Moraes Fernandes. O espaço está aberto para manifestações.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

BRASIL

Justiça suspende operações em mais uma barragem da Vale

BRASIL

STJ reduz pena de Elize Matsunaga, condenada por esquartejar marido em SP

Mulher será indenizada em R$ 15 mil depois de ser atingida por toldo de loja
JUSTIÇA

Mulher ferida por toldo de loja será indenizada

Shopping é condenado a pagar R$ 10 mil por falsa acusação de furto
CAMPO GRANDE

Shopping é condenado a pagar R$ 10 mil por falsa acusação de furto

Mais Lidas