Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

EX-SECRETÁRIA MUNICIPAL

Negado habeas corpus a vereadora acusada de chefiar quadrilha

Marisa Rocha está presa desde o dia 6 de março, em Três Lagoas

22 ABR 19 - 18h:02GLAUCEA VACCARI

Presa desde o dia 6 de março deste ano acusada de chefiar esquema de tráfico de drogas, a vereadora licenciada e ex-secretária municipal de Esportes e Juventude de Três Lagoas, Marisa Rocha (PSB) teve o pedido de habeas corpus negado pelos desembargadores da 2ª Câmara Criminal. 

Marisa é apontada como líder de uma organização criminosa voltada para o tráfico, em esquema que foi descoberto em investigações realizadas em fevereiro deste ano. 

Conversas telefônicas interceptadas pela polícia apontam que Marisa contava com ajuda de uma prima, que era o elo com os demais integrantes do grupo. Nas gravações, ela é citada como "defensora dos bandidos", em razão do amplo apoio dado a pessoas envolvidas com crimes, e é citada como responsável por financiar o armamento e tráfico no Município.

Ainda em escutas telefônicas, a política é mencionada com frequência em ligações com presos integrantes da facção, com os quais também tratava sobre detalhes do tráfico de drogas.

Ela foi denunciada e a prisão preventiva foi decretada pelo juízo da 2ª Vara Criminal de Três Lagoas. Defesa pediu a revogação da prisão preventiva ou sua substituição por medidas cautelares.

Relator do processo, desembargador Luiz Gonzaga Mendes Marques, há requisitos para a prisão cautelar, prova da existência do crime e indício suficiente de autoria, além da necessidade de garantir a ordem pública e conveniência da instrução criminal. 

“A autoridade apontada como coatora demonstrou que a paciente supostamente lideraria uma organização criminosa voltada à prática do tráfico de entorpecentes, advindo os indícios de autoria de diversas interceptações telefônicas em que os demais integrantes da facção criminosa mencionavam o seu envolvimento nessa atividade. Diante do exposto, com o parecer, denego a ordem de habeas corpus”, votou o relator.
 
O processo tramitou em segredo de justiça.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Consórcio ignora prefeitura, não compra ônibus e nem paga multa
DO MESMO JEITO

Consórcio não quita multa milionária e nem renova frota

Motorista de aplicativo é amarrado e feito refém por mais de dez horas
CAMPO GRANDE

Motorista de aplicativo fica refém de ladrões por 10 horas

Seis são executados e criança fica ferida em ataque de pistoleiros
FRONTEIRA

Pistoleiros executam seis pessoas e criança fica ferida

Previsão de calor e baixa umidade<br> do ar nesta quarta em MS
TEMPO

Previsão de calor e baixa umidade do ar em MS

Mais Lidas