Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, quarta, 21 de novembro de 2018

OPERAÇÃO CÉRBERUS

Justiça decreta prisão de empresário que integrava organização criminosa

Breno foi preso por tráfico e ajudou em plano de fuga de preso da Máxima

20 JUL 2017Por GLAUCEA VACCARI12h:30

Empresário Breno Fernando Solon Borges, 37 anos, teve a prisão preventiva decretada pela 1ª Vara Criminal de Três Lagoas. Ele foi preso pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) no dia 8 de abril, transportado 129,9 quilos de maconha, 199 munições cabribre .7,62 e .9mm, na BR-262, próximo de Água Clara e é suspeito de integrar organização criminosa especializada em contrabando de armas.

Prisão preventiva é resultado da conclusão do inquériro da Operação Cérberus, deflagrada pela Polícia Federal em junho, que investigou organização criminosa que planejava o resgate do detento Tiago Vínicius Vieira, líder da facção, da Penitenciária de Segurança Máxima de Campo Grande.

Investigações começaram em março, quando Tiago orquestrou fuga da Penintenciária de Três Lagoas, com uso de uma pistola calibre .380. Na ocasião, após análise dos celulares apreendidos com autorização judicial, foi constatado que Breno auxiliaria na fuga, chegando a se deslocar até a cidade.

Inquérito foi concluído e, além de Breno, foram indiciadas outras seis pesssoas por integrar organização criminosa e tentativa de fuga de preso mediante violência.

Breno está preso no presídio de Três Lagoas desde o dia 8 de abril, quando foi preso por tráfico. Advogados de defesa entraram com pedido de soltura alegando insanidade mental.

Conforme os autos do processo, defesa solicitou instauração de incidente de insanidade mental, que requeria ainda a suspensão do processo principal enquanto não realizado laudo pericial. Foram anexados laudos de psquiatras e psicológos que afirmam que Breno sobre de Transtorno de Personalidade Bordeline, que causa instabilidade nas relações pessoais.

Desembargador Divoncir Schereiner Maran concedeu habeas corpus para que o empresário fosse internado em uma clínica. No entanto, enquanto aguardava transferência para uma clínica, Justiça de Três Lagoas decretou a prisão preventiva no processo referente à organização criminosa. 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também