Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, quarta, 21 de novembro de 2018

Feminicídio

Ex-marido mata jovem estrangulada e avisa família dela pelo WhatsApp

Suspeito confessou o crime através de áudio

26 JUN 2017Por BRUNA AQUINO08h:42

Hevelyn de Abreu Xavier, de 24 anos, foi encontrada morta na tarde de ontem (25), na residência onde morava, na Rua Antônio Pinelli, no Bairro Jardim das Oliveiras, em Três Lagoas. Principal suspeito do crime é o ex-marido, Allan Cezar Santos Morais, de 33 anos, que está foragido.

Consta em boletim de ocorrência, que uma testemunha que não foi identificada, recebeu ligação da mãe da vítima que não mora na cidade e informou que havia recebido um áudio em que o ex-marido da filha confessava que havia matado a jovem no dia anterior.

Conforme o áudio entregue à polícia, o suspeito enviou a seguinte mensagem a um amigo, para que ele compartilhasse com a mãe da jovem: "liga prá mãe dela e avisa cara, faz esse favor aí, ela pisou na bola demais comigo cara, ela ficou só me usando, ficando comigo e com o cara lá, aí eu não aguentei as humilhações, o ódio e o ciúmes tomou conta de mim, a gente acabou discutindo, brigando, ela veio prá cima de mim, tentando me engarguelar, aí eu prá me defender, acabei de fazer essa besteira aí, essa desgraça cara e agora já é tarde, ela ta lá na casa, lá morta", afirmou o suspeito.

Testemunha, a pedido da mãe, foi até a residência da jovem, onde arrombou a porta e encontrou a vítima caída no chão, sem vida. A polícia e o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foram acionados no local para os devidos procedimentos.

De acordo com a perícia, corpo da vítima estava em estado de decomposição, o que indica que a vítima foi morta mais de 24 horas antes de ser encontrada. Ainda conforme a perícia, a causa da morte da jovem seria por estrangulamento. Corpo da vítima foi encaminhado até o Instituto de Medicina e Odontologia Legal (Imol) para procedimentos e depois liberado à família.

Caso foi registrado na Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac), onde está sendo investigado. A polícia apreendeu o celular da testemunha para tentar chegar ao celular do autor, mas até agora, suspeito ainda não foi encontrado. 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também